RADAR PARAUAPEBAS: Saiba o que é notícia neste início de semana na Capital do Minério

Ibama comunicou nesta segunda sobre audiência pública virtual em 15 de julho para debater implantação da mina de N3, da Vale, em Parauapebas. É o futuro do município na roleta-russa
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

NOVA MINA DA VALE

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) anunciou nesta segunda-feira (14) que de amanhã a um mês (ou seja, no dia 15 de julho, às 18 horas) vai realizar uma audiência pública virtual para discutir a abertura da mina de N3, na Serra Norte de Carajás, em Parauapebas. A Vale vai apresentar o Relatório de Impacto Ambiental (Rima) do robusto empreendimento. É bom toda a sociedade ficar de olho porque tanto N3 quanto as minas de N1 e N2, que também estão sendo abertas pela mineradora em Parauapebas, simbolizam a era da exaustão do minério de ferro no município. Essas novas minas vêm para complementar a produção em N4 e N5, que são as mais antigas e mais volumosas, mas se encontram em acentuado declínio de vida útil.

NOVA MINA DA VALE 2

O Blog do Zé Dudu apurou que o Ibama foi para cima da Vale para entender por que mais uma mina se há outras em andamento, sendo exploradas. A Vale informou que atualmente encontram-se em operação ou com previsão de início as lavras nos corpos N4E, N4EN, N4WS, N4WN, N5S, N5W, N5EN e Morro 1. A multinacional declarou que N3 é para compensar a redução da atividade de N4WS e reconheceu que até 2032 todas as frentes de lavra em N4, N5 e Morro 1 serão desativadas. Parauapebas continuará minerando, mas em ritmo muito menor que hoje, quando fatura muito dinheiro com royalties de mineração. No futuro incerto, a partir da próxima década, com a exaustão de N4 e N5, a bonança provavelmente minguará.

CADÊ OS ROYALTIES?

Por falar na palavra mais mágica e feliz de Parauapebas, ele ainda não foi creditado até esta segunda-feira (14) à conta corrente da prefeitura local. O royalty de mineração deste mês vem no valor de R$ 114 milhões 109 mil 667 reais e 37 centavos, como o Blog do Zé Dudu antecipara com exclusividade no primeiro dia de junho. Com esse valor, que deve aparecer no extrato bancário nos próximos dias, Parauapebas conseguiria sustentar Jacundá durante o ano inteiro. Aliás, sustentaria durante o ano inteiro 80% dos municípios do Pará.

PREFEITO E VEREADORA

Aliados e afinados, o prefeito Darci Lermen e a vereadora Eliene Soares nunca produziram tanto como neste começo de 2021. E, pela primeira vez em Parauapebas, um vereador ultrapassa, proporcionalmente, o prefeito em quantidade de projetos de lei, que são mais complicados de elaborar e mais difíceis de aprovar, já que passam pelo crivo de procuradores gabaritados. Este ano, Darci já mandou à Câmara 26 projetos de lei, enquanto Eliene está com 17 emplacados e mais dois no gatilho. Única mulher no parlamento, ela, sozinha, responde por 50% do total dos projetos em relação à soma dos que já foram apresentados por todos os seus colegas juntos. Também é líder isolada em indicações. Dos 17 projetos da parlamentar, 70% receberam parecer de legalidade pela consultoria legislativa da Câmara, um deles já virou lei municipal (a da vacinação domiciliar de idosos com dificuldade de locomoção) e outros quatro estão na mesa do prefeito à espera de, também, virarem lei.

PREFEITO E VEREADORA 2

Do ponto de vista matemático, a vereadora é um fenômeno. Com uma equipe 24 vezes menor que a do prefeito Darci Lermen, e limitada por não poder propor projetos que onerem os cofres públicos, Eliene Soares tem um ritmo de produção de conteúdo 15 vezes maior que a do chefe do Executivo. É que, enquanto Darci tem um gabinete com 546 servidores à disposição, no da vereadora estão lotados apenas 23. Assim, se Eliene tivesse uma equipe do tamanho da de Darci, ela já teria produzido, proporcionalmente, 403 projetos este ano, quase 10% de tudo o que já foi produzido em 33 anos de emancipação da Capital do Minério. A maior militância dos projetos da parlamentar este ano é voltada à proteção às mulheres, à saúde pública e à educação. Enquanto tem vereador que faz barulho para tentar aparecer a qualquer custo, a vereadora trabalha discretamente em favor da população.

COVID-19

Os casos de contaminação pelo Sars Cov 2 (novo coronavírus), que provoca a covid-19 continuam em alta em Parauapebas. Nos últimos sete dias (7/6 a 13/6) foram contabilizados 843 novos casos (média de 120/dia), além da morte de 12 pacientes com a doença. No total, Parauapebas já tem 51.566 casos de pacientes infectados pelo vírus, além de 427 óbitos registrados. Já são 49.688 os recuperados pelo sistema de saúde local. A taxa geral de ocupação de leitos no município (atualizada às 16h deste domingo) está em 63%, sendo que leitos de enfermaria SUS: 75%; UTI SUS: 89%; enfermarias particulares: 47%; UTI particular: 90%. A UPA está com atendimento exclusivo para pacientes portadores do vírus. O serviço é ofertado 24h.

SINE/SEGURO-DESEMPREGO

O Sistema Nacional de Emprego – Sine – vai implantar o serviço de seguro-desemprego em Parauapebas. Para isso, os servidores do órgão serão capacitados essa semana por uma equipe da Secretaria de Estado de Assistência Social – Siaster – que estará em Parauapebas até sexta-feira atendendo os trabalhadores que precisam pedir o auxílio. Ao mesmo tempo em que atendem os trabalhadores, a equipe vai ensinar/orientar servidores do Sine. Ou seja, o curso será totalmente prático. Depois da capacitação, os técnicos irão preparar um relatório e enviar para o Ministério do Trabalho para que o Sine Parauapebas receba a senha que permite o acesso ao sistema nacional. Na região, somente Marabá e Canaã atendem o seguro.