Projeções indicam que Pará terá 4,8 milhões de eleitores em junho de 2010

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Projeções do TRE (Tribunal Regional Eleitoral) indicam que até o mês de junho, quatro meses antes da eleição de outubro, o Pará vai emplacar 4,8 milhões de eleitores, 200 mil a mais que o número atual. E mais: também em junho, Santarém, na região oeste do Pará, deverá chegar a 200.745 eleitores. Com isso, o município poderá ter segundo turno nas eleições para prefeito, condição a que até agora estão sujeitos, no Pará, apenas Belém e o município de Ananindeua.

Os jovens são grande parte da procura pelo título de eleitor no começo deste ano em Belém. De uma média de atendimento diário de 200 pessoas, a CAE (Central de Atendimento ao Eleitor) registra quase metade de adolescentes e jovens até 19 anos em busca do primeiro título de eleitor. Mas, de acordo com o coordenador da CAE, Wladson Santos, a procura maior de jovens pelo título de eleitor é comum em janeiro, fevereiro e março, período em que as faculdades efetuam matrículas, após o vestibular e exigem a apresentação do documento de eleitor.

O último levantamento de atendimento mostra que anteontem, dia 3, foram atendidos 183 pessoas na CAE, sendo 78 para requerer o título de eleitor pela primeira vez, outras 75 pessoas solicitaram a revisão do cadastro de eleitor e 30 pediram transferência de zona eleitoral. Para votar nas eleições gerais de outubro, é necessário solicitar o título de eleitor ou transferência de zona eleitoral até o dia 5 de maio. Em ano de eleição, os adolescentes que ainda têm 15 anos, mas que no dia da eleição já tiverem completado 16, também podem se cadastrar para obter o título de eleitor. Nos anos não eleitorais, somente os adolescentes com 16 anos completos podem solicitar o documento eleitoral.

Apesar de muitos jovens correrem para viabilizar o título de eleitor, nem todos concordam com a obrigatoriedade do voto e até nem acreditam que seja um instrumento de mudança. Douglas Ferreira garante que só foi requerer o documento porque está cursando o centro de preparação do Exército, onde o título de eleitor é exigido. Mesmo já tendo 20 anos completos, Douglas garante que nunca se interessou em votar e que não acredita que seu voto possa mudar nada. ‘Vou fazer só por obrigação’, afirma.

Alfabetizado participa de biometria – Eleitores alfabetizados do município de Capanema fizeram questão de fazer o recadastramento biométrico. Durante os dias em que a campanha pelo recadastramento eleitoral esteve na cidade, a maioria dos alunos do PEA (Programa Eleitor Alfabetizado) compareceu ao ginásio da escola São Pio X, habilitando-se ao direito de participar das eleições gerais de 2010, utilizando o mais moderno sistema eleitoral do mundo.

No último dia do recadastramento, os três últimos alunos do PEA que ainda não haviam feito a biometria transferiram seus títulos para Capanema. Há 17 anos vivendo no município, a costureira Rosa Silva de Jesus Filho, 49 anos, tinha seu domicílio eleitoral em outra cidade. ‘É uma nova fase, uma nova vida, é como se eu tivesse nascendo agora’, disse, ao ter seu título transferido.

Antes do recadastramento, os alunos do PEA assistiram um documentário sobre a Biometria e foram saudados, entre outros, pelo desembargador Leonardo Tavares, do TRE. Na ocasião, o Diretor Geral do TRE, Valentim Maia, destacou o compromisso do PEA com o fortalecimento do senso crítico dos eleitores na hora de escolher seus governantes.

Fonte: O Liberal

Publicidade