Prefeitura de Parauapebas iniciou 62 obras em 2020

Governo Darci iniciou 1 obra nova a cada 5 dias, ou seja, uma nova ação de infraestrutura a cada semana, levando-se em conta dias úteis. Resultado atropela os transtornos da pandemia.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Ao longo deste ano que se encerra, a administração do prefeito reeleito Darci Lermen deu início a 62 obras e serviços de infraestrutura que, juntas, totalizam R$ 136 milhões. As informações foram levantadas com exclusividade pelo Blog do Zé Dudu e não consideram empreendimentos da Prefeitura de Parauapebas iniciados noutros anos, mas com sequência e pagamentos realizados em 2020.

Os serviços abrangem concretagem de canteiros, reforma de pontes, construção de escolas e outros prédios públicos, demolição de viaduto, abertura e prolongamento de ruas, construção de praças e operação tapa-buraco. As duas primeiras ordens de serviço do ano, ambas emitidas no dia 21 de janeiro, referiam-se à construção de uma praça no Bairro Cidade Jardim e ao prolongamento da Rua E. Já a última autorização de obra, do dia 30 de novembro, diz respeito à montagem da ala psicossocial do Hospital Geral de Parauapebas (HGP).

Sete obras iniciadas este ano tiveram despesas superiores a R$ 5 milhões. A mais cara delas, o prolongamento da Rua E, no perímetro entre as estacas 159 e 183, impactou os cofres de Parauapebas em R$ 24,6 milhões. Na sequência aparecem três contratos de recuperação de vias, os famosos tapa-buraco: um gerou pagamentos de R$ 11,42 milhões, outro de R$ 9,26 milhões e o terceiro de R$ 8,6 milhões. Ainda há outro contrato de tapa-buraco que recebeu pagamentos de R$ 6,83 milhões, mas à frente dele, em termos de valor, estão as obras na estada de acesso às aldeias indígenas, que consumiram R$ 7,32 milhões. Na verdade, todos os pagamentos contabilizados pelo Blog para serviços de recuperação de vias este ano totalizam R$ 66,63 milhões, praticamente metade do que foi gasto com obras este ano.

Também teve custo significativo a polêmica demolição do viaduto entre as rodovias PA-275 e PA-160, intervenção ao custo de R$ 5,45 milhões e que contempla ainda a construção do cruzamento em nível e urbanização da área adjacente.

Empregos criados

Dados do Ministério da Economia, por meio do Cadastro Geral de Empregados e Empregados (Caged), mostram que, entre janeiro e novembro, Parauapebas foi o 4º município que mais empregou na construção civil no país, atrás das capitais São Paulo (SP), Belo Horizonte (MG) e Curitiba (PR). Embalada em obras públicas, financiadas pela prefeitura, a capital do minério criou 4.784 postos líquidos de vagas com carteira assinada, o melhor desempenho da história.

Em novembro, com a finalização de muitos projetos de construção civil e, consequente, a rescisão de contratos de trabalho, o município demitiu mais que contratou, o que nem assim foi suficiente para tirar a glória da geração de empregos no acumulado de 11 meses.

Publicidade