Prefeitura de Jacundá licita merenda e Câmara faz megacompra de combustíveis

Em Jacundá, a alimentação para quase 9 mil alunos tem preço honesto. A Câmara do município, no entanto, está gastando mais de R$ 660 mil com combustíveis para atividades dos 13 vereadores da Casa de Leis.
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on print

Continua depois da publicidade

Os quase 9 mil estudantes da rede pública municipal de Jacundá certamente não vão ter problemas com merenda no ano letivo de 2019. É que o prefeito Ismael Barbosa preparou uma licitação de R$ 2.718.822,13 para aquisição de gêneros alimentícios visando à melhoria da qualidade nutricional e da saúde dos alunos (veja o processo aqui). A licitação foi publicada nos diários oficiais do Estado e da União na última segunda-feira (18) e a concorrência começa mesmo para valer, selecionando a fornecedora da merenda, na próxima sexta (1º).

As crianças terão à disposição um cardápio que vai de arroz e feijão até gelatina diet. Carne de charque, salsicha, frango, fígado bovino, carne moída e carne maciça integram a alimentação, que tem ainda, entre outros, achocolatado, maçã e laranja. Sem dó, o prefeito Ismael está comprando mais de 255 mil pães para fazer “hot dog” para a garotada. Mas é o arroz o item mais caro da cesta: a Prefeitura de Jacundá vai gastar R$ 385 mil com as quase 29 toneladas do produto que está adquirindo.

Além dessa licitação, o governo municipal deu início a um processo para aquisição de gêneros alimentícios oriundos da agricultura familiar e do empreendedor familiar rural, com vistas ao atendimento do Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae). São produtos que vão complementar o cardápio da merenda dos estudantes jacundaenses.

Enquanto isso, na Câmara…

A Câmara de Vereadores de Jacundá abriu licitação também para concorrência no mesmo dia da merenda escolar, 1º de março. A Casa de Leis municipal está adquirindo impressionantes R$ 662.600,00 em combustíveis (veja o processo aqui). Conforme o Termo de Referência da licitação, são 80 mil litros de gasolina comum, que totalizam R$ 411,2 mil, e 60 mil litros de óleo diesel, no valor de R$ 251,4 mil. Foi feita uma cotação em quatro estabelecimentos locais.

Segundo justifica o presidente da Câmara, Clayton Guimarães de Maria, a aquisição de combustível é de fundamental importância para as atividades do Poder Legislativo jacundaense, entre as quais a locomoção dos membros do parlamento a viagens à capital, Belém, para buscar recursos para o município. Não é demais lembrar que a Câmara de Jacundá tem apenas 13 vereadores e que sua maior despesa é com a folha de pagamento, que encerrou 2018 com custo total de R$ 1,366 milhão — o dobro do custo atual com combustíveis.

Num simples cruzamento de investimentos entre a merenda e o combustível, a Prefeitura de Jacundá está investindo, em média, R$ 307 em merenda por aluno, enquanto a Câmara aproximadamente R$ 51 mil em combustível por vereador.

Publicidade