Prefeitura de Eldorado assina TAC para garantia do pagamento de salário a servidores da educação

Folha de dezembro não foi paga pelo ex-gestor. Atual prefeita Iara Miranda deve quitar o valor de R$ 2,3 milhões sob pena de multa.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

O Ministério Público do Pará (MPPA) celebrou na última terça (2) Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com a atual gestão da Prefeitura de Eldorado do Carajás com o objetivo de garantir o pagamento salarial dos servidores da Secretaria Municipal de Educação em relação a dezembro de 2020. O ex-prefeito do município não havia cumprido com suas obrigações de pagamento de acordo com o orçamento estabelecido para o mês, deixando despesas sem empenho e sem inscrição em restos a pagar.

Para assinatura do TAC, o Ministério Público, por meio do Promotor de Justiça Emerson Costa de Oliveira, reuniu com a atual Prefeita Municipal, Iara Miranda, além de representantes da Secretaria Municipal de Educação e do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Estado do Pará.

Na reunião extraordinária, houve entendimento mútuo de que a atual gestão municipal deve empenhar a folha de pagamento de dezembro/2020 dos servidores públicos da Secretaria Municipal de Educação, dado que toda despesa pública somente pode ser executada após a emissão da nota de empenho.

Conforme o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), a Prefeitura realizará em até dois dias o Ato de Empenho para regularização da folha de pagamento de dezembro/2020 dos servidores e seus respectivos fundos. O pagamento deverá ser realizado no prazo de até dois dias após a efetivação do empenho.

‘’Durante as tratativas que ensejaram o presente Termo, o Município informou que adotará as providências legais e judiciais afim de responsabilizar o gestor anterior pela omissão ilegal, diante do poder-dever de agir quanto ao cumprimento das obrigações orçamentárias’’, informa o promotor de justiça.

O descumprimento do acordo, além de multa, poderá ensejar em medidas judiciais cabíveis.

Confira o TAC:

(Ascom MPPA)