Prefeito de Canaã fala que sair do aluguel é um dos motivos para compra de hotel

Jeová Andrade explicou que o imóvel oferece melhor estrutura para receber pacientes com Covid-19
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Após a polêmica em torno da compra do hotel, o prefeito de Canaã dos Carajás, Jeová Andrade, usou a rede social, na noite dessa segunda-feira, 30, para explicar os motivos para aquisição do imóvel. Destinar o prédio para o funcionamento da Secretaria de Saúde e sair do aluguel foi uma das justificativas. Segundo a Prefeitura, atualmente, o município paga R$ 8 mil, por mês, de aluguel da secretaria.

Jeová Andrade começou o vídeo dizendo que o momento agora não é de “politicagem”. Reafirmou a necessidade de implantar um ambulatório emergencial para o tratamento de pacientes da covid-19. “Nós não podemos esperar chegar o primeiro foco em Canaã, não podemos esperar uma crise em Canaã para depois pensar em implantar esse ambulatório. Nós já estamos adquirindo os equipamentos necessários, respiradores, monitores e outros equipamentos para esse ambulatório”, enfatizou o prefeito. Jeová disse ainda, que foi feito um levantamento em vários prédios da cidade, mas que o Hotel Canaã é o mais adequado porque passou por uma reforma e pode oferecer no mínimo, 34 leitos emergenciais.

O Blog Zé Dudu mostrou que a Prefeitura encaminhou, em caráter de urgência, à Câmara Municipal, o projeto de lei que autoriza a compra do Hotel Canaã para ser destinado ao funcionamento da Secretaria Municipal de Saúde e o almoxarifado. O valor do imóvel é de R$ 3.245.665,23 (três milhões, duzentos e quarenta e cinco mil e seiscentos e sessenta e cinco reais e vinte três centavos). O projeto também autoriza, transformar o prédio, temporariamente, no Centro de Controle da Covid-19. O pagamento seria feito com os recursos da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (Cfem).

Sobre o valor do imóvel, o prefeito disse que está abaixo do mercado. “Por ser uma obra de qualidade, uma obra com grande espaço e bem localizado. Se o município for construir, ficará mais caro”.

A Câmara Municipal não informou quando o projeto será colocado em pauta, para votação. A sessão extraordinária foi transferida para esta terça-feira, 31. De acordo com a assessoria de imprensa, entre os projetos de lei que devem ser apresentados, está a emenda que altera a lei do Fundo Municipal de Desenvolvimento Sustentável. Cerca de R$ 8 milhões, em linhas de crédito, devem ser destinados aos comerciantes que enfrentam a crise, com a queda no movimento, por causa do novo coronavírus. A sessão está marcada para às 16h.

Publicidade