Canaã dos Carajás bate recorde de royalties em junho

Prefeitura de Parauapebas sozinha já arrecada praticamente tantos royalties quanto os 403 municípios mineradores de MG. Já o governo de Marabá vê dois gordos contracheques no mês
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

A Prefeitura de Canaã dos Carajás não demorará em ultrapassar a cifra de R$ 100 milhões mensais em Compensação Financeira pela Exploração Mineral (Cfem), se depender da vontade da mineradora multinacional Vale, que segue acelerada em fornecer o melhor minério de ferro do mundo ao mercado transoceânico.

Nesta terça-feira (1º), o Blog do Zé Dudu foi às contas para apurar o valor dos royalties de mineração a que cada prefeitura faz jus neste mês de junho, e a administração de Josemira Gadelha vai embolsar a maior cota da história derivada diretamente de produção: R$ 93,506 milhões. A informação é exclusiva do Blog, já que a Agência Nacional de Mineração (ANM) ainda não divulgou a partilha da Cfem para este mês. Quando a quantia for creditada — ao que tudo indica, na próxima semana —, o governo de Canaã somará R$ 483,34 milhões apenas em royalties no curto período de seis meses.

O bom ritmo de produção em S11D e a alta do preço do minério de ferro estão fazendo as contas da Prefeitura de Canaã bombar. Há dez anos, o município arrecadava apenas 10% do que Parauapebas faturava. Este ano, já arrecada 55%. E não vai demorar muito para que a Terra Prometida avance sobre a Capital do Minério e tome dela o pódio de maior receptáculo de royalties de mineração do Brasil. A Vale vai dar uma mãozinha nessa jornada com a ampliação da capacidade nominal da mina de S11D.

Parauapebas

Já a Capital do Minério vai receber R$ 114,11 milhões este mês, valor que está em linha com o que habitualmente fatura. Somando-se esse aos valores já embolsados, a administração de Darci Lermen terá ajuntado R$ 638,95 milhões em Cfem na primeira metade de 2021, quantia suficiente para sustentar um município do porte de Redenção, que é a principal praça econômica do sul do Pará, durante três anos.

A bonança de Parauapebas, hoje, é tamanha que a prefeitura local praticamente fatura tantos royalties quanto todos os municípios de Minas Gerais: lá, naquele estado, 403 prefeituras vão partilhar R$ 122,932 milhões.

A Prefeitura de Marabá, que geralmente recebe royalties duas vezes no mês (por produção e por ser diretamente afetado pela mineração na vizinhança), vai pegar no primeiro momento R$ 11,524 milhões, decorrente da produção. Uma semana depois, deve receber cerca de R$ 4,85 milhões por impacto da atividade mineral.

Ao todo, 49 prefeituras paraenses vão ratear R$ 240,5 milhões de royalties em junho. Agora confira quando as prefeituras mais prósperas do Brasil vão faturar, no ranking exclusivo feito pelo Blog do Zé Dudu!

ROYALTIES DE JUNHO

1º Parauapebas — R$ 114.109.835,15

2º Canaã dos Carajás — R$ 93.506.485,81

3º Conceição do Mato Dentro (MG) — R$ 21.360.761,50

4º Itabirito (MG) — R$ 17.317.754,63

5º Congonhas (MG) — R$ 13.300.871,53

6º Marabá — R$ 11.524.348,69

7º Itabira (MG) — R$ 10.148.573,98

8º São Gonçalo do Rio Abaixo (MG) — R$ 9.346.667,39

9º Belo Vale (MG) — R$ 9.102.142,32

10º Mariana (MG) — R$ 7.788.519,32

11º Nova Lima (MG) — R$ 5.967.521,24

12º Itatiaiuçu (MG) — R$ 5.835.646,46

13º Curionópolis — R$ 5.609.123,42

14º Brumadinho (MG) — R$ 3.781.780,54

15º Juruti — R$ 3.485.650,27

Publicidade