Brasil

Pequenos mineradores buscam regularização do setor em Brasília

Propostas foram entregues ao governo federal em audiência realizada na ANM, com participação de representantes de Parauapebas, que poderá sediar reunião sobre o assunto.

Brasília – Representantes da Federação Brasileira de Mineradores (Febram), Cooperativas de Pequenos Mineradores do Pará e da Bahia e empresários do setor, acompanhados do ex-deputado estadual Cláudio Almeida e do senador Zequinha Marinho (PSC-PA), participaram na quarta-feira (4) de uma audiência na Agência Nacional de Mineração (ANM), vinculada ao Ministério das Minas e Energia, quando apresentaram um documento com a minuta de sugestões ao governo para a regularização da atividade em todo o Brasil.

O objetivo é buscar a legalização da atividade minerária de pequeno porte, que apesar de ter baixo impacto ambiental e ser responsável pela geração de emprego e renda, não tem recebido apoio. “Hoje trabalhamos na ilegalidade, e o produto do nosso trabalho é comercializado a preços aviltantes. Toda a cadeia de produção da atividade está precarizada”, disse o presidente da Febram, Gilson Fernandes de Souza. 

Zequinha Marinho informou que, já há alguns meses, vinha estudando o tema, como forma de garantir a regularização dos pequenos mineradores. “Participamos de discussões com representantes do setor e representantes do grupo de trabalho estruturado pelo governo, responsáveis pela simplificação do regime de outorga de lavra garimpeira. Com base nas informações e na análise técnica do problema, elaboramos uma proposta que foi entregue ao governo federal”, informou o senador paraense.

Ao destacar o potencial minerador do Pará, Zequinha acrescentou que as atualizações e simplificações propostas representam “incontestável aperfeiçoamento do marco legal do setor mineral e contribuirão para a revitalização do setor como um todo”.

Na minuta do documento entregue ao governo, o senador sugere alterações no Decreto-Lei nº 227/67, que dispõe sobre o Código de Mineração, e nas leis de nº 6.567/78 e 7.805/89, para atualizar e simplificar normas relativas ao setor minerário.

Prazos

Conforme observado por Cláudio Almeida, amanhã (6) o governo federal encerrará o prazo de recebimento de sugestões que vão subsidiar a publicação de uma medida provisória a ser encaminhada pelo presidente Jair Bolsonaro ao Congresso Nacional. “Provavelmente, é a publicação de um decreto-lei com efeito de regularizar o setor em todo o território nacional”, disse Almeida.

O presidente Bolsonaro determinou a criação de um Grupo de Trabalho (GT) para tratar do assunto e subsidiar a tomada de uma decisão. O grupo de pequenos mineradores e a representação política do Pará sugeriram a realização de uma audiência pública em Parauapebas, sudeste do Pará — o maior município minerador do mundo -, no dia 21 deste mês. A data será confirmada nos próximos dias.

Pelo cronograma do GT, no dia 7 de outubro todas as sugestões apresentadas ao governo serão analisadas e comporão o texto final da medida provisória a ser editada.

Atualmente, 95% dos requerimentos de concessão de lavra são deferidos a grandes mineradoras. Os pequenos mineradores exploram minérios numa área de até 75 hectares, pela atuação legislação, mas a situação é precarizada uma vez que operam sem o respaldo legal hoje exigido.

É possível também que a categoria seja beneficiada, após a atualização da atual legislação, o acesso a financiamentos públicos em linhas de crédito federais disponíveis em operadores financeiros como o Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES) e à assistência tecnológica para incrementar a produção. Mais avanços podem vir com a regularização das relações de trabalho e garantia de preços justos na comercialização dos produtos, com regramento ambiental.

Cláudio Almeida disse que as Secretarias de Estado de Meio Ambiente e Indústria e Comércio serão envolvidas no processo e serão convidadas para participar da audiência em Parauapebas .

Reportagem: Val-André Mutran – Correspondente do Blog do Zé Dudu, em Brasília.

Um comentário em “Pequenos mineradores buscam regularização do setor em Brasília

  1. Pingback: Coluna Direto de Brasília #64 – Por Val-André Mutran - ZÉ DUDU

Deixe seu comentário