Parque Zoobotânico Vale inicia programa de reprodução de mamíferos de espécie rara

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

imageRaro e ameaçado de extinção, o cachorro-vinagre é mais uma espécie que chega ao Parque Zoobotânico Vale (PZV), em Parauapebas, para integrar um programa de reprodução em cativeiro. Dois animais chegaram ao PZV em momentos diferentes e hoje formam um casal. Percebida a interação entre eles a equipe técnica do Parque providenciou a construção de um recinto para aumentar as chances de sucesso do processo de reprodução. Adaptado às suas necessidades o local não é aberto a visitação pública. “O ideal nestes casos é deixar os animais fora do circuito de visitação pública. Apesar de não poder prever quando a reprodução acontecerá, estamos tomando todas as medidas para proporcionar o ambiente ideal para atingir este objetivo”, explica o biólogo do Parque, Leandro Maioli.

imageMamífero de médio porte, o cachorro vinagre recebeu o nome popular por conta da sua pelagem marron-avermelhada, já para comunidade científica ele é o Speothos venaticus, um animal carnívoro, da família dos Canídeos. Eles se alimentam basicamente de pequenos roedores, mas quando organizados em grupos se tornam ágeis caçadores de pacas, capivaras, emas e até antas. Seus dedos estão ligados por membranas que os permitem nadar e mergulhar com facilidade, por isso vivem principalmente próximos a cursos d´água. No Brasil são encontrados na Amazônia, Cerrado, Mata Atlântica e Pantanal.

Ação coletiva

O Programa desenvolvido no Pará soma-se ao de zoológicos do Brasil e exterior que estão unindo esforços para garantir a preservação do cachorro-vinagre. Referência no setor, o Parque Zoobotânico Vale já possibilitou o nascimento de outros animais ameaçados de extinção como: onças-pintadas, urubu-rei e ararajubas. “Não existe nenhum programa como este sendo desenvolvido no Norte do Brasil. Nossas expectativas são as melhores já que o cachorro-vinagre é uma importante espécie do bioma Amazônico”, declara Maioli.

Hoje o PZV mantém um plantel de mais de 260 animais da região amazônica, sendo alguns ameaçados de extinção, como é o caso da onça-pintada, da arara-azul e do macaco-cuxiú. 

O parque ocupa uma área de 30 hectares na Floresta Nacional de Carajás e, deste total, aproximadamente 30% foram utilizados para a construção de recintos e áreas administrativas. O restante é floresta nativa. Além da exposição de espécies da fauna e flora amazônicas, o parque desenvolve um importante trabalho de educação ambiental e, como isso, contribui no processo de formação e ampliação de consciência ecológica entre os visitantes.

Publicidade

Relacionados