Parauapebas: Semsa lança campanha “Julho Amarelo” de combate às hepatites virais

A campanha se prolonga durante todo o mês e é voltada ao diagnóstico precoce das hepatites. Serão realizadas rodas de conversa nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) com orientações e esclarecimentos à população da existência da doença e suas formas de transmissão e tratamento
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

A Secretaria Municipal de Saúde de Parauapebas (Semsa) lançou oficialmente a Campanha “Julho Amarelo”, que é realizada em nível nacional de combate as hepatites virais. A campanha, que se prolonga por todo o mês de julho, objetiva realizar o diagnóstico precoce e o tratamento da doença.

Em Parauapebas, durante todo o mês serão realizadas rodas de conversa nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) com orientações e esclarecimentos à população da existência da doença e suas formas de transmissão e tratamento, assim como a realização de testes rápidos para as hepatites B e C. Segundo o secretário municipal de Saúde, Gilberto Laranjeiras, somente por meio de campanhas, como a do “Julho Amarelo”, é possível levar informações de forma abrangente a todos.

“É um trabalho feito durante todo o ano, mas que tem no mês de julho um momento de alerta. Na campanha, chamamos a atenção para o diagnóstico, que é acessível com testes rápidos disponíveis nas 24 Unidades Básicas de Saúde, assim como no Centro de Aconselhamento e Testagem (CTA). O município disponibiliza gratuitamente preservativos masculinos e femininos, no segmento da prevenção, e vacinas contra hepatites A e B, em todas as salas de vacina da rede, além de investir na orientação educativa de cuidados de higiene e manipulação de objetos perfurocortantes”, enfatiza o secretário.

A hepatite é uma doença viral infecciosa que ataca o fígado e pode ser aguda ou crônica. Existem cinco tipos identificados de hepatite: A, B, C, D (Delta) e E. As dos tipos A e E só se manifestam de forma aguda e o paciente elimina o vírus do organismo depois da crise. Mas os tipos B, C e D podem se tornar crônicos e pedem mais atenção dos órgãos de saúde no mundo.

Os sintomas da hepatite podem ser parecidos com os de outras doenças. O indivíduo pode se sentir cansado, apresentar febre, tonturas, enjoos, vômitos e dores abdominais, além de pele e olhos amarelados (icterícia).

Os sintomas costumam aparecer depois do período de incubação, que varia de acordo com o tipo do vírus. Há casos em que não há a manifestação de sintomas, chamados assintomáticos. Daí o motivo de ser conhecida como doença silenciosa.

Segundo a Semsa, para ser diagnosticada e tratada de forma precoce, é necessário manter em dia os exames de rotina que podem identificar o vírus. Quando a doença não apresenta sintomas e, consequentemente, não é tratada, a infecção pode evoluir para cirrose ou câncer no fígado.

A transmissão das hepatites ocorre por via sanguínea, através de relações sexuais desprotegidas ou compartilhamento de seringas e objetos cortantes. Também é transmitida de mãe para filho durante a gravidez. Para todos os tipos de hepatites virais, o Sistema Único de Saúde (SUS) oferece o diagnóstico por meio dos testes rápidos e/ou sorologias e, caso seja necessário, disponibiliza o tratamento para a doença.

Tina DeBord