Parauapebas: Semad realiza roda de conversa com servidores que atendem mulheres vítimas de violência

O objetivo da iniciativa, realizada pelo programa Bem-Estar do Servidor, é promover a troca de experiências entre os servidores, para melhorar o ambiente de trabalho e a saúde mental desses profissionais
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Servidores que atendem mulheres vítimas de violência participaram de rodas de conversas com o objetivo de trocar experiências entre eles. A ação é da Secretaria Municipal de Administração de Parauapebas (Semad) e Coordenadoria de Treinamento e Recursos Humanos (CTRH), por meio do programa Bem-Estar do Servidor Público.

Durante as rodas de conversa, realizadas de 17 a 20 deste mês, no Centro Universitário de Parauapebas (Ceup), os servidores tiveram um acolhimento especial e puderam trocar suas experiências, assim como participaram de terapia coletiva. Segundo Cristiane Resende, assistente social do Bem-Estar, atender frequentemente mulheres vítimas de violência e outras pessoas que têm seus direitos violados é uma tarefa que requer saúde emocional, daí a importância desse tipo de programação, para tratar o emocional dos servidores.

“A gente acolhe, com frequência, servidores adoecidos que atendem pessoas com violação de direitos e, por isso, decidimos promover esses encontros. Além da prefeitura ter essa pegada do olhar para a mulher vítima de violência, especialmente no Agosto Lilás, também vai garantir mais saúde para que aquele servidor esteja bem, na hora de ofertar esse serviço para a mulher”, frisa a assistente social.

Uma das servidoras que participou da programação foi Aline Luise, técnica de enfermagem que trabalha no Hospital Geral de Parauapebas (HGP). Ela avaliou de forma positiva a inciativa, destacando a importância do servidor está bem preparado profissional e emocionalmente para atender essas vítimas.

“É muito recorrente a gente atender mulher vítima de violência no Pronto Socorro. E esse atendimento não é só um ato de fazer uma medicação nela, mas ofertar um pouco de conforto, carinho e atenção”, ressalta a enfermeira.

Aline destacou, ainda, que cuidar de quem cuida é uma iniciativa “maravilhosa”. “Quem cuida daquele que cuida? Eu achei muito interessante a iniciativa da CTRH de propor essa roda de conversa. Ter esse cuidado com quem está cuidando da mulher vítima de violência é maravilhoso. Isso é valorização do servidor”, acrescentou Aline.

Tina DeBord – com informações da Ascom PMP