Parauapebas: Homem mata companheira, avisa a família dela e leva tudo o que tinha na casa

Nanda havia sido espancada por ele, decidiu sair de casa, levou os filhos para Bragança e voltou apenas para vender os bens que havia deixado na casa do casal, mas foi vítima de feminicídio
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

A Polícia Civil em Parauapebas procura Rosemiro Quaresma, assassino confesso da ex-companheira Fernanda Valéria dos Santos Ribeiro, 30 anos, natural de Augusto Corrêa (PA), também conhecida como Nanda. O crime ocorreu provavelmente na madrugada desta, quarta-feira, dia 15. Após matar a mulher por estrangulamento, ele ligou, por volta das 3h, para uma irmã dela, que mora em Bragança, e disse que a havia assassinado, que corpo estava na casa em que moravam, na Rua Jade, no Bairro Morada Nova, e que ela comunicasse à polícia.

E mais: demonstrando total frieza, Quaresma disse ainda para a ex-cunhada, que havia deixado o ar-condicionado ligado para conservar o corpo antes da chegada do IML. O assassino também levou tudo o que havia na casa, à exceção da cama em que Fernanda foi morta.

Vizinhos o viram sair com móveis, eletrodomésticos, eletroeletrônicos e utensílios de cozinha, em uma carrocinha puxada por uma moto, mas imaginaram que o casal estava mudando de residência. Por isso, não desconfiaram que no quarto da casa estava o cadáver da mulher.

Em conversa com o perito Luiz Silva a Reportagem do Blog do Zé Dudu obteve as informações de que o corpo já está rígido e com odor. Por isso, o técnico acredita-se que ela tenha sido morta há mais de 24 horas e não nesta madrugada, provavelmente, por estrangulamento

A irmã de Fernanda Valéria, que conversou pelo WhatsApp com a Reportagem, mas pediu para ter a identidade preservada, disse que, recentemente, a mulher foi espancada por Quaresma e resolveu abandoná-lo. Viajou para Bragança a fim de deixar os filhos e voltar a Parauapebas para vender o que havia na casa e depois voltaria. De acordo com a irmã, ela foi desaconselhada a fazer a viagem, mas insistiu em voltar a Parauapebas. Foi a última viagem que ela fez em vida.

(Caetano Silva)