Caso Dayse Dyana: PC apreende centenas de documentos na residência de Samaritano

Para a PC, eles são oriundos do crime de concussão (Art. 316 - CP). Vítimas devem comparecer à delegacia para recuperar os documentos.
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Diógenes Samaritano, que está preso acusado de matar a esposa Dayse Dyana no último fim de semana em Parauapebas, deve responder por mais um crime. É que a Polícia Civil encontrou cerca de trezentos documentos, entre eles Carteiras de Identidade, DUT’s e Certificados de Registro e licenciamento de Veículos na residência de Samaritano.

Segundo o delegado Gabriel, uma das vítimas de extorsão por parte de Samaritano registrou um Boletim de Ocorrências na Depol informando que o agente do Detran havia apreendido o documento do seu veículo prometendo devolver assim que este lhe repassasse uma quantia em dinheiro. Munido desse B. O.. a polícia solicitou aos familiares da vítima que autorizassem a entrada na casa para verificar se esse documento estava lá. “Foi quando nos assustamos com a quantidade de documentos em posse do suspeito. Fizemos o recolhimento desse material, que será catalogado e devolvido às vítimas que comparecerem à delegacia e registrarem uma denúncia contra Samaritano por extorsão. A Polícia Civil não quer saber se o documento apreendido está em dia ou não, esse papel é do Detran”, disse o delegado.

Samaritano passou por audiência de custódia na segunda-feria (01) e sua prisão foi mantida pelo juiz. Ele está preso na Carceragem do Bairro Rio Verde, em Parauapebas. A princípio, por ser funcionário público, Samaritano iria ficar preso no Quartel da PM até a audiência de custódia, mas o comandante não liberou a cela. Com a manutenção da prisão não restou outra alternativa senão a da carceragem do Rio Verde, onde se encontra à disposição da justiça.

Samaritano ainda não foi ouvido pelo presidente do inquérito, Dr. Gabriel Henrique Alves Costa. “Estamos levantando situações, ouviremos testemunhas, vizinhos, amigos do casal para só depois ouvir o suspeito”, disse o delegado.

Relacionados