Parauapebas é 4º que mais gerou empregos no Brasil em 2020

Também tiveram desempenho espetacular Canaã dos Carajás, Marabá, Belém e Ananindeua. No extremo oposto, Altamira é um dos 50 municípios brasileiros com mais demissões no ano.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

A capital do minério voltou a resplandecer no portfólio nacional da geração de empregos formais. No ano passado, em meio a tempos totalmente atípicos por conta da pandemia de coronavírus, Parauapebas conseguiu produzir 8.579 postos de trabalho líquidos com carteira assinada e encerrou o difícil 2020 como o 4º que mais abriu oportunidades no país. As informações foram levantadas com exclusividade pelo Blog do Zé Dudu, que analisou dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) referentes a dezembro e divulgados nesta quinta-feira (28) pelo Ministério da Economia.

Dos 5.570 municípios brasileiros, apenas três apresentaram resultados superiores ao de Parauapebas: Manaus-AM (10.869 empregos), São Luís-MA (10.334) e Barueri-SP (8.798). Na verdade, a posição ostentada por Parauapebas em 2020 fechou a década assim como o rico produtor de minério começou: próspera — devido ao “boom” no preço do minério de ferro, seu principal produto.

Mas a geração local de empregos teve um tempero a mais. As obras públicas iniciadas pela administração do prefeito Darci Lermen, a pretexto de dotar a área urbana de saneamento básico, foram o maior guindaste da geração de oportunidades durante o ano. Além disso, a prefeitura abriu frentes de trabalho com contratações celetistas em diversas obras de infraestrutura, de maneira que conseguiu emendar ordens de serviço numa média de uma por semana.

Pará em destaque no 3º lugar

Além do desempenho brilhante isolado de Parauapebas, alçado com louvor ao topo nacional, o Pará foi muito bem no geral. O estado fechou o ano como 3º que mais criou postos com registro em carteira, 32.789 ao todo. Só Santa Catarina (53.050) e Paraná (52.670) superam. E tem mais: o estado conseguiu emplacar cinco representantes entre os 50 municípios que mais empregaram no ano passado, uma participação histórica de 10%.

Além de Parauapebas, desfilam entre os gigantes do emprego os municípios de Canaã dos Carajás (3.038 postos líquidos, 26º lugar), Marabá (2.750, 31º), Belém (2.559, 34º) e Ananindeua (2.088, 45º). Na lista dos 100 de maior destaque também se destacam Barcarena (1.234, 80º), Pacajá (1.201, 86º) e Castanhal (1.151, 96º). Com volume expressivo, o município de Santarém também registrou mais de mil contratações com carteira assinada no ano passado (1.028 no total).

Contudo, 46 localidades do estado apresentaram dados ruins, com mais demissões que contratações. Altamira lidera as demissões, inclusive tendo sido um dos lugares do país que mais tiveram perdas, com 2.473 baixas, o 36º pior desempenho nacional. No cômputo geral, entre perdas e ganhos, o Pará se superou para melhor.