Paragominas: MPF recomenda construção de escolas na Terra Indígena Alto Rio Guamá

O MPF destaca que, por falta de escolas, os alunos estudam em espaços improvisados pelas comunidades, sem qualquer comodidade
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

O Ministério Público Federal (MPF) expediu recomendações ao governo do Pará e ao município de Paragominas, no sudeste do estado, para que solicitem recursos ao Ministério da Educação (MEC) para a construção de duas escolas indígenas e compra de todos os móveis e itens necessários. Segundo o MPF, por falta de escolas, os alunos estudam em espaços improvisados pelo povo Tembé, sem qualquer comodidade.

Nas recomendações, espedidas nesta quarta-feira (25), o procurador da República, Sadi Flores Machado, detalha que, a falta de escolas nas aldeias Iarapehu e Três Furos, localizadas na Terra Indígena Alto Rio Guamá, obriga os alunos a estudar em salas de aulas fora dos padrões das escolas polo ou a viajar longas distâncias por rios para chegar à escola polo mais próxima.

O MPF destaca que vem cobrando a instalação de escolas nas aldeias Iarapehu e Três Furos desde 2017, quando foi informado pelas famílias indígenas sobre a situação de precariedade da educação nessas áreas. O órgão argumenta que, de acordo com levantamento realizado pela própria Prefeitura de Paragominas, só na aldeia Três Furos há 25 crianças em idade escolar que seriam beneficiadas com a construção da escola.

Ainda na recomendação, o procurador da República, Sadi Flores Machado, observa que a prefeitura alegou ao MPF que não providenciou a construção das escolas por falta de verbas. Nesse ponto, ele enfatiza que como o governo federal oferece recursos para os entes federativos que fizerem a solicitação, que o estado do Pará e o município de Paragominas tomem todas as providências necessárias para oficializar a solicitação ao MEC.

Segundo o MPF, para incluir uma demanda no plano de ações do MEC é necessário que os entes federativos realizem inicialmente um diagnóstico da situação educacional local, com o objetivo de identificar as reais necessidades da área de educação e definir as prioridades para pleitear a assistência técnica e financeira. Essas informações devem ser enviadas ao MEC por meio do Sistema Integrado de Monitoramento, Execução e Controle do Ministério da Educação (Simec) com a documentação técnica necessária.

No documento, o MPF ressalta que o plano nacional de educação estabelece que devem ser adotadas estratégias para fomentar o atendimento das populações do campo e das comunidades indígenas e quilombolas na educação infantil nas respectivas comunidades, limitando a nucleação de escolas e o deslocamento de crianças. O plano também prevê o atendimento às escolas do campo e de comunidades indígenas e quilombolas na oferta de educação em tempo integral, com base em consulta prévia e informada.

Tina DeBord – com informações do MPF