Pará alcança meta de vacinação contra a gripe

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

A Secretaria de Estado de Saúde do Pará (Sespa) informa que a campanha de vacinação contra a gripe no Estado acaba de alcançar a meta estipulada pelo Ministério da Saúde. Dados da Coordenação Estadual de Imunização indicam que até a quarta-feira, 10, foram imunizados exatos 80% da população alvo –  idosos, gestantes, crianças de seis meses a quatro anos, mulheres no período de até 45 dias após o parto, doentes crônicos e profissionais de saúde – em 86 dos 144 municípios paraenses. Isso significa que 1.187.564 de pessoas já foram vacinadas.

Ainda assim, a Sespa recomenda que os 58 municípios que ainda não atingiram a meta prossigam com a campanha normalmente e comuniquem a população que as vacinas continuam disponíveis. “Cada secretaria de saúde pode buscar estratégias diferenciadas para resgate dos não vacinados”, explica Jaíra Ataíde, coordenadora estadual de Imunização, em nota técnica. O resultado definitivo da campanha vai depender também da inserção de dados desses municípios, cuja velocidade de processamento depende de conexão estável pela internet.

No Pará, os trabalhadores da Saúde foram os que mais procuraram a vacina, correspondendo ao percentual de 93%, seguidos pelos seguintes grupos: Puerperas (93%), Idosos (87%), Gestantes (78%), Indígenas (76%) e crianças, com 73%. Entre os municípios estratégicos paraenses, dois ultrapassaram os 90% de população vacinada: Ananindeua, com 91%, e Paragominas, com 99%. Outros, igualmente populosos, ainda devem prosseguir com a campanha, como Belém (76%), Santarém (73%), Marabá (70%) e Altamira (68%).

A vacina contra gripe é segura e evita o agravamento da doença, internações e, até mesmo, óbitos por influenza. Estudos demonstram que a imunização pode reduzir entre 32% a 45% o número de hospitalizações por pneumonias e de 39% a 75% a mortalidade por complicações da Influenza. Todas as pessoas que fazem parte do grupo prioritário devem se dirigir aos postos de saúde com o cartão de vacinação. As pessoas com doenças crônicas devem apresentar também prescrição médica no ato da vacinação. Aqueles pacientes que já fazem parte de programas de controle das doenças crônicas do SUS devem se dirigir aos postos em que estão cadastrados para receber a vacina.

Após a aplicação da dose, podem ocorrer dor no local da injeção e o endurecimento leve da pele, manifestações que geralmente passam em 48 horas. A título de orientadora da campanha, a Sespa recomenda que os profissionais das secretarias de Saúde de municípios que ainda não atingiram a meta se empenhem em convencer a população pela adesão à campanha, pois a vacina concede imunidade após 15 dias da aplicação. Nesse caso, as grávidas são um desafio à parte, já que formam um grupo mais receoso e resistente à ação. “Não há perigo. Pode se imunizar em qualquer período gestacional”, recomenda Jaíra Ataíde, coordenadora estadual do Programa de Imunizações, ao lembrar que a vacina só é contraindicada para pessoas com história de reação anafilática prévia em doses anteriores ou para que tenham alergia grave relacionada a ovo de galinha e seus derivados.

Os sintomas da gripe são: febre, tosse ou dor na garganta, além de outros, como dor de cabeça, dor muscular e nas articulações. Já o agravamento pode ser identificado por falta de ar, febre por mais de três dias, piora de sintomas gastro-intestinais, dor muscular intensa e prostração.

Os dados sobre o desempenho do Pará e dos municípios estão ao alcance da consulta pública pelo site http://sipni.datasus.gov.br/, do Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunizações (PNI)/Ministério da Saúde, órgão responsável pela dispensação de vacinas para todas as regiões do País.

Fonte: Secretaria de Estado de Saúde Publica

Publicidade