Vacinação contra gripe de idosos acima de 60 anos e professores inicia nesta terça (11)

Quem tomar vacina contra a Influenza precisa esperar 14 dias para tomar a dose contra a Covid-19.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza (Gripe) começa a vacinar, nesta terça-feira (11), os idosos acima de 60 anos de idade e os professores, que são os grupos prioritários que compõem a segunda fase da campanha.

Quem tomar a vacina contra a Influenza precisa esperar 14 dias para tomar a dose contra a Covid-19. Essa é a orientação do Programa Nacional de Imunizações (PNI), que segue as diretrizes técnicas dos laboratórios fabricantes, uma vez que ainda não foram realizados estudos sobre o uso da vacina contra Covid-19 concomitantemente com outras vacinas e nem em intervalos inferiores a 14 dias.

A meta dessa etapa é vacinar 94.432 professores e 793.740 idosos. Para isso, a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) já abasteceu os 144 municípios com doses de vacinas e insumos necessários para a sua aplicação.

Os grupos prioritários da primeira fase que, por qualquer motivo, ainda não se vacinaram também podem procurar os postos de vacinação para tomar a sua dose. São as crianças de seis meses a menores de seis anos, as mulheres puérperas, as gestantes e os trabalhadores de saúde, que começaram a ser vacinados no dia 12 de abril.

O Pará iniciou a campanha vacinando, primeiramente, as crianças de seis meses a um ano de idade. Porém, gradativamente, foram abrangidos os demais grupos prioritários da primeira fase. “É muito importante que as crianças e as grávidas, em especial, apresentem a caderneta de vacinação”, lembrou a coordenadora estadual de Imunizações, Jaíra Ataíde.

As metas da primeira fase são vacinar 207.507 crianças de seis meses a um ano de idade, 430.360 crianças de 2 a 4 anos, 146.178 crianças de 5 anos, 17.055 puérperas, 103.754 grávidas e 157.316 trabalhadores de saúde.

Para alcançar essas metas, a Sespa orienta os municípios a adotarem estratégias diferenciadas para buscar a população alvo da campanha e o Pará atingir a cobertura vacinal de pelo menos 90% da meta.

O objetivo da Campanha é reduzir as complicações, as internações e a mortalidade decorrentes das infecções causadas por três tipos do vírus Influenza na população alvo da campanha, ou seja, Influenza A/H1N1, Influenza A/H3N2 e Influenza B.

O diretor de Epidemiologia, Bruno Pinheiro, disse que a vacina é muito importante para evitar complicações, quadros de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), e descompensação de quadros de doenças pré-existentes, podendo levar à morte.

Ele informou que de acordo com a Divisão de Vigilância Epidemiológica, em 2019, houve 30 casos de SRAG causada por H1N1, nenhum por H3N2 e dois por Influenza B. Já em 2020, houve 49 casos de SRAG causada por H1N1, três de H3N2 e nenhum por Influenza B. No entanto, ainda pode haver subnotificação de casos.

“Temos que fortalecer a parceria entre o Governo do Estado, municípios e a população para juntos alcançarmos a cobertura vacinal ideal nesta campanha”, ressaltou Bruno Pinheiro.

A gripe é uma infecção viral comum que pode ser fatal, especialmente em grupos de alto risco. A doença afeta os pulmões, o nariz e a garganta. Crianças pequenas correm alto risco. Os sintomas incluem febre, calafrios, dores musculares, tosse, congestão, coriza, dores de cabeça e fadiga.

Com informações da Sespa

Publicidade