Pará

Orientais compram mais de 55% do Pará; China sozinha levou 48%

Em 2018, a China foi a maior compradora dos produtos paraenses, consumindo 48% das commodities exportadas pelo estado. Atrás dela, outros dois orientais completam o pódio: Malásia, com 4,8%, e …

Em 2018, a China foi a maior compradora dos produtos paraenses, consumindo 48% das commodities exportadas pelo estado. Atrás dela, outros dois orientais completam o pódio: Malásia, com 4,8%, e Japão, com 4,3%. Alemanha (3,2%), Estados Unidos (3,1%), Coreia do Sul (3,1%), Canadá (2,9%), Holanda (2,3%), Filipinas (1,8%) e Noruega (1,8%) completam a lista dos melhores mercadores, no ano em que os produtos paraenses chegaram a 142 países do globo, 74% dos 193 atualmente reconhecidos pela Organização das Nações Unidas (ONU).

E tem mais: o saldo comercial do Pará é o 3º maior do Brasil. Ao longo do ano passado, o estado exportou 15,61 bilhões de dólares em 334 commodities (cerca de R$ 59,3 bilhões) distintas e importou 1,18 bilhão (R$ 4,5 bilhões). Como resultado, 14,43 bilhões (R$ 54,83 bilhões) ficaram de crédito para o Brasil, o melhor superávit paraense da história. As informações foram divulgadas pelo recém-criado Ministério da Economia, segundo o qual o superávit do Pará está cada vez mais próximos dos dois primeiros colocados, Minas Gerais (14,89 bilhões de dólares) e Mato Grosso (14,61 bilhões de dólares).

O Blog do Zé Dudu compilou os resultados da balança comercial paraense e elaborou o ranking dos 25 produtos da terra mais apreciados pelos gringos. Dos dez primeiros, sete são produtos de mineração, e o mais bem colocado fora desse circuito é a soja, que ultrapassou os embarques de boi vivo.

O minério de ferro segue líder na pauta de exportações, respondendo por 59% das transações, seguido do minério de cobre e seus concentrados, que abocanha 13,5%. Os sete produtos de mineração mais apreciados pelos estrangeiros movimentam 85% da balança comercial do Pará.

Um comentário em “Orientais compram mais de 55% do Pará; China sozinha levou 48%

  1. JUSCELINO VERAS DA SILVA Responder

    Que triste, tanta riqueza e tanto contraste social. Só extração de matéria prima (com poucas exceções). Traduzindo, uma espécie de saque..

Deixe seu comentário