Navio da Vale próximo ao Porto de Ponta de Madeira (MA) tem fissura no casco

O comandante encalhou a embarcação em um banco de areia pra evitar o naufrágio. Manchas de óleo foram avistadas no local
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

A Vale informou que o navio MV Stellar Banner, de propriedade e operada pela empresa sul-coreana Polaris, que saiu de Ponta da Madeira, no Maranhão, porto privado da Companhia Vale do Rio Doce, no dia 24 de fevereiro deste ano transportando minérios brasileiros para Qingdao, na China, a aproximadamente 65 milhas náuticas (fora da poligonal do Porto) verificou entrada de água nos seus compartimentos de carga, indicando possibilidade de fissura no casco. O comandante pediu apoio de terra. VALE, Autoridades Portuárias e Capitania estão buscando soluções para o ocorrido. A princípio o comandante buscou um banco de areia para tentar encalhar o navio e evitar um possível naufrágio. Foram enviadas embarcações, helicópteros e recursos ao local.

O Navio adernou mais ao longo da noite e foram observadas manchas de óleo no mar. Em um sobrevoo na manhã desta quarta-feira com representantes da Vale, da empresa de salvatagem e da Capitania, foi informado inicialmente que o vazamento não é extenso. A Vale enviou um rebocador com equipamentos de contenção para dar suporte.

Em nota encaminhada ao Blog, a Vale informou “que foi comunicada pelo operador do navio MV Stellar Banner que a embarcação sofreu avaria na proa após deixar o Terminal Marítimo de Ponta da Madeira, em São Luís (MA), na noite de segunda-feira (24), já fora do canal de acesso ao porto. Foi reportado ainda à Vale que, por medida de precaução, os 20 tripulantes foram evacuados com segurança e que o comandante do navio adotou manobra de encalhe a cerca de 100 quilômetros da costa de São Luís. A embarcação, construída em 2016, é de propriedade e operada pela empresa sul-coreana Polaris. Como operadora portuária, a Vale está atuando com suporte técnico-operacional, com o envio de rebocadores, e colaborando com as autoridades marítimas.”

Publicidade