Em Água Azul, 11% da arrecadação vão para postos de combustíveis

Governo municipal quer gastar até oito vezes mais com diesel e gasolina que com agricultura. E olha que propriedades rurais movimentam um PIB de R$ 190 milhões, triplo da receita local.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Uma megalicitação em Água Azul do Norte, município de 28 mil habitantes e arrecadação pequena (R$ 62,28 milhões no ano passado), chama atenção para a forma como os municípios paraenses gastam recursos que, em tese, deveriam ser utilizados em benefício da melhoria de vida da população. Na sexta-feira (21), a Prefeitura de Água Azul ficou de licitar o fornecimento de combustíveis pelo valor estimado em até R$ 7.028.355,00, o correspondente a 11% da atual receita bruta apurada pela administração. É como se cada cidadão do município tivesse de desembolsar R$ 256,23 para custear esse gasto autorizado pelo prefeito Renan Souto.

A ambiciosa aquisição de combustíveis se faz necessária, segundo a prefeitura, para abastecimento dos veículos que compõem a frota municipal e, por conseguinte, para garantir o transporte de servidores no desempenho de suas atividades, a manutenção e conservação de estradas vicinais, o transporte de alunos, o deslocamento e a remoção de pacientes e, de maneira geral, a melhoria na prestação de atendimento à população.

“O município de Água Azul do Norte desempenha diversos serviços indispensáveis à população, bem como a manutenção da própria cidade, o que depende da utilização de veículos e máquinas pesadas na sua execução. Estes dependem de combustíveis para sua locomoção”, justifica o governo local em nota para respaldar a contratação junto ao Tribunal de Contas dos Municípios (TCM).

A administração elenca uma série de atividades nas áreas de educação, saúde, assistência social e infraestrutura que dependem do uso de combustíveis. No entanto, o questionável é o volume de recursos públicos que, em doze meses, o óleo diesel e a gasolina podem consumir. Ano passado, por exemplo, os investimentos locais em assistência hospitalar e ambulatorial somaram R$ 6,19 milhões. Já as benfeitorias em infraestrutura urbana não passaram de R$ 914 mil, de acordo com a prestação de contas da prefeitura.

Publicidade