Movimento no centro comercial de Parauapebas ainda é fraco para o Dia dos Pais

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Faltando apenas quatro dias para uma das datas mais importantes do calendário dos lojistas, o Dia dos Pais, o comércio de Parauapebas ainda apresenta pouca movimentação. Apesar do cenário, os comerciantes se mostram animados e esperam aumentar os lucros com as vendas, principalmente no sábado (8).

WP_20150805_15_20_52_Pro

De acordo com o gerente da loja Elos Calçados, Sérgio Naves, o movimento do comércio teve uma queda desde o início do ano, o que afetou as vendas, provocou a redução no quadro dos funcionários e no estoque. “Quando chega período de datas comemorativas nossas expectativas aumentam. Acredito que as vendas ainda vão melhorar. Estamos com produtos novos e ainda promoção de ponta de estoque”, declarou o gerente.

A vendedora Edna Lima, que trabalha no comércio há quatro anos, considera que 2015 foi um dos piores anos em vendas. Ela conta que sua renda diminuiu cerca de 40% se comparada a outros anos. Normalmente, o período de maior movimentação é do dia 25 ao dia 5 de cada mês, ocasião em que os vendedores aproveitam para ganhar um pouquinho mais. “Para nós, que trabalhamos com comissão, é difícil, sentimos logo a queda nas vendas e, consequentemente, na nossa renda”, disse a vendedora.

WP_20150805_14_52_08_ProAs lojas de produtos masculinos são as mais procuradas e, mesmo assim, é preciso encontrar estratégias para driblar a crise. Há sete anos, Márcia Paulino é proprietária de uma loja nesse segmento, ela comenta que mesmo com pouco movimento as vendas estão sendo boas. “Estamos sempre buscando coisas novas e diferenciadas para atrair o cliente, esse ano estamos com marcas novas na loja, vendemos kits, temos uma página no Facebook que divulgamos nossos produtos e nosso atendimento também faz a diferença na hora da venda”, destaca a empresária.

Os produtos mais procurados nesse período estão nos segmentos de vestuário, calçados, perfumaria e eletrônicos. Apesar do cenário de crise, tem filho que não economiza na hora do presente: a enfermeira Helena Gama desembolsou R$ 500 em um sapato e uma camisa para seu pai. Já outros aproveitam a liquidação: Lidiana Campos, conta que todos os anos presenteia seu pai e mesmo que seja apenas uma lembrança, o gesto é uma demonstração de carinho. “Este ano comprei o presente em uma liquidação, tive que limitar o preço, mas não deixei de comprar”, afirmou a técnica de radiologia.

Publicidade