Ministério Público pede suspensão de evento político em Jacundá

Promotor argumenta que, além de fazer propaganda fora de época, o pré-candidato não pode fazê-lo em uma igreja, como está sendo anunciado
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on print

Continua depois da publicidade

Está nas mãos do juiz eleitoral de Jacundá, Jun Kubota, a realização de um ato político em prol do pré-candidato a prefeito, Capitão Rogério, previsto para acontecer na próxima quinta-feira (5). No dia de ontem, o Ministério Público do Pará, por meio da promotoria local, ingressou com pedido de suspensão do ato.

Em seu site, o MPPA informa que “o promotor eleitoral de Jacundá, Sávio Ramon Batista da Silva, recorreu à Justiça para impedir a realização irregular do lançamento da pré-candidatura ao cargo de prefeito de Rogério Oliveira Pereira, conhecido como Capitão Rogério”.

O chefe do MP questiona o local onde está previsto a realização do ato, o Galpão de Eventos da Igreja do Perpétuo Socorro, o que “vai de encontro à lei que rege a propaganda eleitoral fora de época”.

“As irregularidades encontradas pelo Ministério Público Eleitoral são a divulgação externa da pré-candidatura, além da utilização da igreja como palanque político. Vale ressaltar que o objetivo do Ministério Público é garantir que o evento ocorra de acordo com as determinações legais que não estão sendo consideradas pelo pré-candidato”.

“Não se pode tolerar que as atividades políticas sejam desenvolvidas em ambiente público, mais precisamente em Igreja. Não se pode fazer da religião e seus templos ferramentas para utilização política”, pontua na ação o promotor de Justiça Eleitoral, Sávio Ramon.

O MP requer que Capitão Rogério se abstenha de realizar o lançamento de sua pré-candidatura no dia 5 de março, no Galpão de Eventos da Igreja Nossa Senhora Perpétuo Socorro. Caso contrário, terá de pagar multa em valor a ser estipulado pela Justiça.

Consultada pela Reportagem, a assessoria do pré-candidato capitão Rogério informou que a questão está sendo resolvida pela Assessoria Jurídica do partido. “A agenda está mantida”, disse um dos assessores.

(Antonio Barroso)

Publicidade