Marabá: TRT derruba sentença e deixa decisão sobre abertura do comércio nas mãos de Tião Miranda

Decisão foi prolatada pelo desembargador Walter Roberto Paro, do Tribunal do Trabalho da 8ª Região
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Em decisão monocrática expedida no final da tarde desta sexta-feira, dia 15 de maio, o desembargador Walter Roberto Paro, do Tribunal do Trabalho da 8ª Região, acatou o Mandado de Segurança com pedido de liminar impetrado pela Progem (Procuradoria-Geral do Município de Marabá) e derrubou a sentença que havia sido prolatada dias atrás pelo juiz Pedro Tourinho Tupinambá, da 3ª Vara do Trabalho de Marabá.

O magistrado de primeira instância havia determinado dia 20 de abril, que o Município de Marabá efetivasse a suspensão dos Decretos Municipais 32/2020 e 33/2020, a fim de fechar o comércio dos serviços e atividades não essenciais pelo prazo de 30 dias ou até comprovar de forma inequívoca a adoção de medidas que eliminem efetivamente o risco de contágio dos trabalhadores pela Covid-19.

A partir disso, a Progem recorreu ao TRT-8, que agora prolatou decisão do desembargador Walter Paro, o qual avaliou que no caso dos autos da primeira instância, não se mostra configurada a excepcionalidade que autorizaria a intercessão do sistema judicial na esfera reservada à discricionariedade política.

O desembargador cita a Constituição de 1988, a qual elenca o princípio da separação dos poderes como garantia institucional intangível. Isso significa que a ordem vigente se estrutura a partir de limites na atuação das esferas de poder. “Cabe ao Judiciário preservar essa ordem, prestigiando esse princípio estruturante da República Federativa do Brasil, consagrando a harmonia das diversas atuações. Não cabe, contudo, intervir ou ditar as regras de conveniência e oportunidade para o Poder Executivo”, disse Walter Paro.

O desembargador lembrou em sua decisão, que o Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF), por unanimidade, confirmou o entendimento de que as medidas adotadas pelo Governo Federal na Medida Provisória (MP) 926/2020 para o enfrentamento do novo coronavírus não afastam a competência concorrente nem a tomada de providências normativas e administrativas pelos estados, pelo Distrito Federal e pelos municípios.

“Assim, diante de tudo o que acima se expõe conclui-se que, em regra, o Poder Judiciário não pode interferir no mérito dos atos administrativos praticados pelo Poder Executivo, no caso, o municipal, em relação à conveniência e oportunidade de praticá-los, por se encontrarem dentro da esfera de discricionariedade afeta aos interesses da Administração Pública municipal.

De outro lado, não vislumbro que os Decretos 32/2020 e 33/2020 expedidos pelo Município de Marabá afrontam, concreta e objetivamente, o disposto no Decreto estadual 609/2020 e na Portaria nº 188/2020, do Ministério da Saúde, como alegado na inicial dos autos originários da ACP”, decidiu o desembargador. Por fim, o Walter Paro deferiu o pedido liminar postulado pelo município de Marabá, para cassar os efeitos da tutela de urgência deferida nos autos da Ação Civil Pública do MPT de Marabá, até deliberação ulterior.

Assim, o desembargador não mandou abrir o comércio de Marabá, ressalvando que essa decisão cabe ao prefeito de Marabá, Tião Miranda. Todavia, o comércio não abre imediatamente. Precisaria, segundo interpretou um advogado consultado pelo blog, editar novo decreto.

Diante do número de casos de coronavírus e de mortes estarem crescendo vertiginosamente em Marabá, a Reportagem também procurou a Prefeitura, por meio da Progem, para saber se haverá novo decreto flexibilizando a abertura do comércio. Foi informado apenas que essa possibilidade será analisada na segunda-feira, dia 18, entre o prefeito Tião Miranda e o Comitê de Acompanhamento do Coronavírus, em função do agravamento dos casos.

Publicidade