Marabá encerra 2019 como principal praça financeira do interior do Pará

As 21 agências de Marabá guardavam mais de R$ 156 milhões em conta corrente. É o que revela Banco Central sobre bancarização no país. Dados podem guiar mercado de consumo.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Embora não seja o mais populoso, nem o que produza mais bens e serviços expressos em Produto Interno Bruto (PIB), tampouco o que possua a prefeitura mais rica, o município de Marabá é, no interior do Pará, imbatível num quesito muito prático e próximo à realidade de todo mundo: dinheiro de verdade em conta bancária. Nada teórico. Sim, a população marabaense — seja pessoa física, seja jurídica — é a que possui o maior saldo em conta corrente, depois de Belém e Ananindeua, e se mostra um importante reduto de milionários discretos e anônimos que guardam muito mais de R$ 10 milhões no banco em investimentos diversos.

As informações foram levantadas com exclusividade pelo Blog do Zé Dudu, que mapeou, a partir de dados disponibilizados pelo Banco Central, os municípios onde a população mais tem dinheiro em conta. Os dados são discriminados de maneira genérica, com saldo por instituição e município. Em Marabá, a população mantinha até dezembro de 2019 — período informado como mais recente pelo Banco Central — R$ 156,23 milhões nas contas de 21 agências bancárias.

É um volume superior ao saldo bancário da população de Santarém (R$ 146,98 milhões em 15 agências), Castanhal (R$ 128,08 milhões em 11) e Parauapebas (R$ 100,94 milhões em 15). Em Parauapebas, aliás, onde se diz que “corre mais dinheiro”, a realidade das contas bancárias dos munícipes não é tão exuberante assim.

É certo que a capital do minério paga bons salários tanto no serviço público municipal quanto na iniciativa privada, mas é certo também que uma considerável parcela da população opta por fazer investimentos fora e, bem assim, manter conta bancária em outras praças, como Belém e Belo Horizonte. O número de milionários de fato — aqueles que mais guardam dinheiro e menos ostentam — é escasso, embora haja elevado número de “emergentes” — aqueles que ostentam e até fingem ter algum dinheiro enquanto todos fingem que acreditam.

A capital paraense ostenta R$ 3,23 bilhões estacionados em contas correntes, um valor superior ao saldo das contas bancárias da rica Goiânia, que ajuntava no final de dezembro R$ 2,66 bilhões, ou seja, quase R$ 600 milhões a menos que Belém. Vale comparar que Goiânia possui 207 agências bancárias, ao passo que a capital do Pará possui apenas 112.

Marabá X Araguaína

Rainha do agronegócio no sudeste do Pará, Marabá, na condição de cidade de interior e polo regional, só tem rivais em importância do outro lado da divisa. Uma das principais, com quem dividem funções, é a igualmente próspera Araguaína, no Tocantins. Aquela cidade, embora menos populosa e com arrecadação menor que a marabaense, é “ousada” em número de pessoas endinheiradas.

Quando da divisão de Goiás para criação do novo estado, três décadas atrás, muitos ex-goianos decidiram permanecer no norte do Tocantins e povoá-lo. Araguaína cresceu inicialmente na esteira de grandes visionários pecuaristas, hoje lideranças regionais do agronegócio. Mais tarde, os investimentos em educação tornaram-na um polo universitário concorridíssimo e tudo isso foi atraindo capital financeiro, de maneira que atualmente sua população tem R$ 132,91 milhões estocados em 12 agências. Não supera a riqueza das contas de Marabá, mas ameaça. E faz inveja a outros paraenses.

Em outra cena de comparação, Parauapebas, cuja população urbana é hoje pouco maior que a de Araguaína e tem prefeitura três vezes e meia mais rica, ainda não consegue acompanhar o poder financeiro real da cidade tocantinense. O rico município paraense produtor de minério de ferro ainda tem que fazer brotar R$ 32 milhões em conta corrente se quiser se igualar ao desenvolvido município universitário do Tocantins. É que nem sempre o dinheiro concentrado em prefeitura se traduz em riqueza de fato da população, e Parauapebas ainda não aprendeu esse segredo.

Marabá X Imperatriz

Se Araguaína não é capaz de “esbarrar” Marabá, Imperatriz, no Maranhão, humilha. Polo regional e universitário mais importante do interior do vizinho estado, Imperatriz desenvolveu-se fazendo dos serviços que oferece — principalmente nas áreas de saúde, educação e logística — seu ganha-pão. Com população urbana um pouco maior que a de Marabá, Imperatriz tem uma prefeitura que arrecada cerca de R$ 100 milhões a menos.

Mas, aqui especificamente, não é a conta da prefeitura que importa, mas a da população. E nesse quesito ela é 42% superior à do povo de Marabá. Com 19 agências bancárias, o município maranhense movimentava até dezembro em conta corrente R$ 221,49 milhões. É o maior montante entre todos os municípios de interior da Amazônia.

Confira o ranking das 21 maiores praças bancárias do Pará preparado pelo Blog do Zé Dudu!

Publicidade