Mais sobre o pedido de intervenção do governo estadual na rede pública de saúde de Parauapebas feito pelo Ministério Público

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

A promotora do Ministério Público Maria Cláudia Botelho, em Parauapebas, solicitou que o governo estadual intervenha na gestão da rede pública de saúde do município, com o objetivo de melhorar o atendimento. A justificativa para tal pedido é o grande número de demandas por diversos procedimentos de saúde que chegam diariamente ao MP e que, em grande parte, não são atendidos pela Secretaria Municipal de Saúde (Semsa). O pedido está em análise na procuradoria geral de justiça.

De janeiro à maio desse ano já foram 110 denúncias, “as principais reclamações são por falta de medicamentos, falta de médicos, falta de cirurgia e leitos, falta de encaminhamento para outros hospitais de referência do Estado”, relatou a representante do MP.

“A gente não consegue entender por que a saúde em Parauapebas não consegue atender adequadamente. Um município que é tão rico, que tem um poderio econômico tão grande”, destacou a promotora.

Em nota, a Prefeitura de Parauapebas informou que “ainda não foi notificada e portanto não tem conhecimento dos exatos pontos que motivaram o pedido de intervenção, mas reforça que desde o início do ano tem trabalhado para tirar a saúde de Parauapebas do caos que se encontrava”.

Judicialização na saúde

Procurar o Ministério Público para tentar conseguir atendimento de saúde é o caminho encontrado por muitos usuários que enfrentam dificuldades na busca por atendimento na rede pública. É uma prática que vem crescendo em todo o país por conta da morosidade e burocracia dos serviços ofertados pelo SUS, em especial os classificados como alta complexidade.

Muitas dessas demandas se tornam processos judiciais que acabam sendo julgados no STF, como o caso de medicamentos de alto custo que não estão na lista do SUS. Conforme depoimento de alguns profissionais do setor de Regulação da Semsa, em alguns casos a justiça determina o atendimento de determinado paciente quando haveria outro com mais urgência na fila de espera. Além disso, alguns solicitam um tipo de atendimento, mas, de fato, necessitam de outro. “Falta o conhecimento técnico por parte dos profissionais do MP”, afirmou uma integrante do setor.

Essas dificuldades são enfrentadas por municípios de todo o país e foram pautas de um encontro com representantes do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). O resultado desse encontro pode ser conferido na matéria publicada pelo CONASS com o tema Judicialização da Saúde, termo que indica esse movimento de procura da justiça para resolver os problemas de atendimento na saúde.

“No final do ano de 2014, meu pai quebrou o braço na roça, ficou internado no hospital municipal por mais de um mês, pois precisava fazer cirurgia e colocar platina na parte de dentro. Isso só era feito fora da cidade. Os próprios funcionários do hospital me orientaram a procurar o Ministério Público senão meu pai iria morrer e não conseguiria vaga. Assim eu fiz, mas não tive resultado. Só conseguimos a vaga no hospital Regional de Marabá com a ajuda de um político”, relata o auxiliar de almoxarife, Adalberto Carvalho.

Muitas das demandas que chegam ao Ministério Público de Parauapebas são de serviços de responsabilidade do governo estadual, semelhantes à esta relatada por Adalberto Carvalho.

Diante desse contexto, fica a pergunta: o Estado não consegue nem cumprir o seu papel, na oferta de serviços de média e alta complexidade, como terá condições de intervir na gestão municipal para melhorar o atendimento?

Publicidade