Secretário de Segurança Pública do Pará recebe comissão de Parauapebas e deputados para discutir retomada das obras do presídio

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Membros da Comissão de Segurança Pública da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-PA) participaram de uma reunião com o atual secretário-adjunto de Segurança Pública e Defesa Social do Estado (Segup), André Cunha, e membros da Assembleia Legislativa do Estado (Alepa), entre eles o deputado Márcio Miranda e  o deputado Gesmar Costa, para alertar e cobrar o Governo do Estado para que conclua as obras de construção da nova unidade prisional em Parauapebas, iniciadas em 2013 pelo governo do Estado.

“A juíza arbitrou multa de R$10 mil por dia de atraso”, enfatizou o presidente do Conselho da Comunidade de Parauapebas, o advogado Helder Igor Sousa Gonçalves, que reforçou ainda que há uma ação judicial que determina a retomada da obra em até 60 dias.

Distante aproximadamente 20 quilômetros do centro de Parauapebas, a unidade prisional deveria abrir 306 vagas. A Prefeitura cedeu o terreno e o Estado deveria ter concluído a obra no final de 2015. Segundo a OAB, apenas 25% da construção dela está concluída.

A atual unidade prisional do município foi construída em 1984 e não suporta mais receber detentos. “Muitos precisam ser transferidos para Marabá ou Belém em razão da falta de espaço físico. Atualmente, as condições são insalubres e desumanas”, relatou Helder Igor.

O secretário-adjunto da Segup assegurou que o Estado irá concluir o edital para licitar uma nova empresa para retomar a obra até final de junho deste ano, já que todas as adequações ao projeto foram feitas.

Para o deputado Gesmar Costa, que atuou como secretário de Segurança Institucional e Defesa do Cidadão de Parauapebas em 2016, e conhece bem a  situação, “essa é uma obra importante para Parauapebas, já que a carceragem de Parauapebas conta hoje com 160 presos e que, em Belém, existem outros 70 presos de Parauapebas. Portanto, quando inaugurado, o presídio já deve ter 70 % de sua capacidade de lotação apenas com presos de Parauapebas”. O deputado informou que já havia feito três cobranças aos órgãos de segurança do Estado, a primeira em 10 de janeiro – quatro dias após assumir o cargo -, a segunda em 8 de fevereiro e a terceira em 12 de abril.

Participaram da reunião – que aconteceu na última quarta-feira, em Belém -, além dos já citados, o secretário municipal de Segurança Institucional e Defesa do Cidadão de Parauapebas, Michel Jackson; o chefe de gabinete do prefeito de Parauapebas, Edson Luiz Bonetti, a advogada Amanda Saldanha, e o deputado Dirceu Ten Caten.

Publicidade

Relacionados