Lideranças Assurini cobram compensação para Terra Indígena do Trocará

Comissão Interinstitucional, formada durante audiência judicial, ajudará a Justiça Federal avaliar e deliberar sobre os dados necessários ao julgamento do caso
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Lideranças das três comunidades que formam a nação Assurini receberam na manhã desta sexta-feira (4) representantes do Ministério Público Federal (MPF), da Eletrobras Eletronorte, Fundação Nacional do Índio (Funai), da Prefeitura de Tucuruí e de diversas instituições. Em uma audiência judicial na terra indígena Trocará que durou cerca de cinco horas, os indígenas cobraram a imediata adequação e o cumprimento de medidas emergenciais que a Eletrobras Eletronorte se comprometeu a implementar para reduzir e compensar impactos causados pela construção da hidrelétrica de Tucuruí ao povo Assurini.

A audiência judicial aconteceu nas dependências da escola indígena Warara’awa Assurini e reuniu cerca de 150 pessoas. Pintados para a guerra, os indígenas cobraram do representante da Estatal o cumprimento dos compromissos que foram assumidos há sete anos e que nunca foram adequadamente cumpridos. “O que queremos com essa audiência é que a Eletronorte cumpra sua obrigação de reduzir os impactos na Terra Indígena Trocará. Nossas exigências estão sendo feitas de forma ordeira e pacífica, mas as lideranças indígenas querem retorno no cumprimento das reivindicações. Só queremos o que é nosso pelo direito que nos é dado pela constituição”, falou Oliveira Assurini, liderança indígena.

_MG_8763

A Eletrobras Eletronorte e as lideranças indígenas formularam e encaminharam uma proposta de mudanças nos critérios do programa de atendimento. Agora, o juiz federal Hugo Leonardo Abas Frazão terá a missão de avaliar e deliberar sobre os dados necessários ao julgamento do caso.

_MG_9081

O juiz falou que todas as solicitações das lideranças e as ações que estão sendo feitas pela Empresa serão avaliadas pelo Ministério Público Federal que contará com o apoio de uma Comissão Interinstitucional que ajudará a Justiça Federal a decidir quais as propostas apresentadas pela Empresa e pelo povo Assurini serão concretizadas. A Comissão será composta por representantes de entidades como Universidade Federal do Pará (UFPA), Instituto Federal do Pará (IFPA), Universidade de Brasília (UnB), Funai e da Eletrobras Eletronorte que farão as análises que ajudarão na decisão da Justiça.

As atividades de análise das propostas serão iniciadas no dia 14 de maio. A Comissão terá até 15 de junho para avaliar e escolher as propostas. Em 29 de junho o relatório final será apresentado determinando quais propostas serão consideradas satisfatórias e o Juiz Federal terá até 10 de setembro para dar o parecer final sobre o caso.

A terra Indígena Trocará, tem 22 mil hectares e está localizada nos municípios de Baião e Tucuruí.  916 indígenas vivem nas três comunidades que compõem a reserva indígena do Trocará.

Histórico

Na ação, encaminhada à Justiça em 2010, o MPF tomou como base das argumentações estudo de impactos socioambientais que identificou danos causados aos índios desde a implantação da hidrelétrica. O estudo, patrocinado pela própria Eletrobras Eletronorte e acompanhado pela Funai, foi realizado por recomendação do MPF.

Foram identificados impactos como: descontrole do acesso de pessoas à terra indígena, conflitos com fazendeiros, substituição da língua nativa pelo português, introdução de doenças sexualmente transmissíveis, aumento do alcoolismo e tabagismo, e alteração das águas do rio Tocantins, com redução de espécies de peixes da região e mudanças dos hábitos alimentares.

Em diversas reuniões com o MPF, a Funai e a comunidade indígena, a Eletronorte chegou a reconhecer a necessidade de implantação do programa, tendo concordado em apresentá-lo, mas descumpriu os compromissos assumidos, frustrando as expectativas da comunidade e adiando indefinidamente as ações compensatórias.

Fotos Aldeney Moraes
Publicidade