Ministério Público Federal discute impactos da Usina de Tucuruí

A audiência teve a finalidade de ouvir a população a respeito das demandas que não foram cumpridas pela Eletronorte, bem como buscar soluções aos questionamentos apresentados
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Mais de duas mil pessoas participaram de uma Audiência Pública convocada elo Ministério Público Federal em Tucuruí, para debater os impactos socioambientais da Usina Hidrelétrica (UHE) e de suas eclusas. O evento aconteceu no Ginásio Poliesportivo da cidade, na terça-feira (14) e reuniu Ministério Público Estadual, Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), Eletronorte, prefeitos e lideranças comunitárias e indígenas.

Representantes da sociedade civil organizada expuseram seus problemas decorrentes dos impactos da Usina de Tucuruí. Eles cobraram providências, como pagamento de indenizações às famílias e investimentos nas comunidades, por parte da UHE. “A Eletronorte prometeu dias melhores para nossas famílias, mas isso não aconteceu. Ela não cumpriu. Esperamos que seja diferente daqui pra frente”, disse o líder comunitário e expropriado Abraão Coutinho.

Oliveira Assurini, representante da comunidade indígena Assurini, em Tucuruí, também questionou as promessas não cumpridas da estatal. “Esperamos êxito com essa audiência pública e que tenhamos resultados positivos, pois a nossa comunidade foi prejudicada com a essa hidrelétrica, onde a caça e a pesca diminuíram bastante”.

“Viemos ouvir a população a respeito das demandas que não foram cumpridas pela Eletronorte, bem como buscar soluções a esses questionamentos. Todos os pleitos serão analisados e distribuídos conforme a competência de cada envolvido”, destacou Eliabe Soares, do MPF.

“Acredito que esse evento vai fazer com que tanto a Eletronorte quanto o Dnit passem a cumprir as condicionantes. A região precisa desse investimento. Os nossos munícipes precisam desse investimento”, avalia o prefeito Artur Brito, ao ressaltar que, desde 2013, a Eletronorte não faz um investimento na região. “Tenho certeza de que, a partir dessa reunião, muita coisa boa vai vir”, finaliza.

(Antonio Barroso/ Fotos: Aldeney Moraes)

Publicidade
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir