Justiça do Maranhão suspende projeto de duplicação da Estrada de Ferro Carajás

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

A Justiça Federal concedeu liminar que suspende a licença de instalação da Estrada de Ferro Carajás (EFC), da Vale, em relação ao trecho que causou impacto aos indígenas Awá-Guajá, da terra indígena Caru, até que a consulta prévia aos índios seja realizada.

ferrovia_carajasA medida é resultado de ação ajuizada pelo Ministério Público Federal no Maranhão (MPF/MA) que acusa a Vale, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e a Fundação Nacional do Índio (Funai) de praticarem irregularidades durante o processo de licenciamento.

A Vale afirmou hoje (21), em nota, que foi intimada da decisão do Juiz da 8ª Vara Federal do Maranhão, que determinou a suspensão das obras de ampliação da Estrada de Ferro Carajás no trecho próximo à Terra Indígena Caru.

A Vale foi intimada da decisão do Juiz da 8a. Vara Federal do Maranhão, que determinou a suspensão das obras de ampliação da Estrada de Ferro Carajás (EFC) no trecho próximo à Terra Indígena Caru, entre os quilômetros 274 e 326 da ferrovia, no município de Alto Alegre do Pindaré (MA). A Vale informa que as obras de ampliação estão sendo realizadas dentro da faixa de domínio da EFC e o processo de licenciamento seguiu estritamente a legislação aplicável, tendo autorização do IBAMA e da FUNAI. A Vale adotará os recursos e medidas cabíveis para o restabelecimento das obras”, diz a nota da mineradora.

Segundo informações transmitidas diretamente por indígenas e por entidades indígenas ao MPF/MA, atos administrativos referentes à duplicação da Estrada de Ferro Carajás estavam sendo realizados sem a consulta prévia adequada e legal aos povos indígenas localizados na área, o que aumentaria os impactos já gerados na região pela ferrovia.

Ainda assim, o Ibama emitiu licença de instalação em favor da obra, mesmo observando os impactos aos índios e sem a fase de consulta livre e informada ao povo impactado. A Funai não realizou adequadamente a consulta prévia aos índios e posicionou-se favoravelmente ao empreendimento. Constatou-se, ainda, a atuação inadequada da Vale ao oferecer, por meio de funcionários, bens e produtos aos indígenas, buscando colaboração para a realização do empreendimento.

De acordo com o MPF/MA, a duplicação da Estrada de Ferro Carajás poderá gerar danos irreversíveis ao meio ambiente e à cultura dos Awá-Guajá. Além de suspender a licença de instalação da ferrovia e determinar a abertura da fase de consulta prévia, a Justiça determinou que a Vale não poderá mais fazer promessas ou enviar bens aos índios antes e durante a realização do período de consulta.

Os Awá-Guajá são um dos poucos grupos indígenas no país considerados quase isolados, que preservam um estilo de vida distinto e autônomo. Porém, de acordo com análise pericial realizada pelo MPF/MA em 2013, embora regularizadas, as terras indígenas dos Awá encontram-se invadidas e ameaçadas por não índios e por projetos econômico-mineradores.

Publicidade

Relacionados