Jovem morre eletrocutado em Parauapebas ao manusear a rede elétrica

Equatorial Energia lamenta pela tragédia, adverte que somente profissionais habilitados podem operar a rede e explica demora no atendimento na terça-feira
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Diogo Alexandre Santos Sousa, 23 anos, morreu na tarde de ontem (18), vítima de queimaduras de segundo e terceiro graus, em consequência de forte descarga elétrica. O acidente aconteceu na Vila Carimã, na região conhecida como Contestado, que fica no território de Marabá, mas bem próximo de Parauapebas.

A fatalidade ocorreu quando o rapaz tentava religar a energia elétrica na propriedade de um colono conhecido como “Senhorzinho”, no momento em que, ao tentar armar o fusível (vulgarmente chamado de canela) que conecta a rede ao transformador, Alexandre recebeu a descarga elétrica.

Socorrido e encaminhado para o Hospital Municipal de Parauapebas, a 65 quilômetros de distância da vila, ele morreu antes de dar entrada na Emergência chegar à casa de saúde.

Em um áudio enviado a um grupo de WhatsApp, uma moradora da localidade e amiga da família, que não foi identificada, desabafou, afirmando que o problema de falta de energia na área vem ocorrendo a muito tempo. Ela também ressalta o descaso por parte da Equatorial Energia, afirmando que a empresa não atende os chamados dos consumidores.

Ainda segundo a mulher, na região não tem telefone fixo e todas as vezes que os colonos precisam realizar uma solicitação de reparos devido à falta de energia ou a algum problema na rede elétrica, precisam subir em morros para captar sinal de operadora de celular.

A consumidora afirma ainda que a concessionária está atrasada quanto à tecnologia, porque, segundo ela, já deveria ter disponibilizado ao consumidor atendimento via WhatsApp.

Ela diz, ainda, que dias antes procurou o escritório da Equatorial para tentar resolver um problema de falta de energia elétrica na área, mas este não foi resolvido, ocasião em que a mulher indagou “Será que é preciso morrer alguém para que o problema seja resolvido?”. a previsão se cumpriu e Alexandre Sousa deixa viúva e três filhos órfãos.

Equatorial lamenta a tragédia e explica demora no atendimento 

Procurada por meio da Assessoria de Comunicação, a Equatorial Energia Pará enviou nota ao Blog do Zé Dudu na qual “lamenta profundamente o ocorrido e reforça que somente profissionais habilitados podem manusear a rede elétrica, para evitar acidentes, que podem ser fatais, como o que aconteceu em Vila Carimã”.

Sobre a falta de energia, a empresa esclarece “que as fortes chuvas que atingiam a região no dia 18 de fevereiro, fizeram com que o prazo para normalização do serviço na localidade fosse estendido. Assim que chegaram ao local, os técnicos da empresa não mediram esforços para restabelecer o fornecimento no menor tempo possível”.

A distribuidora ressalta ainda “os canais de atendimento onde podem ser registradas situações de falta de energia, os quais estão disponíveis 24h: por meio do 0800 091 01 96, pela assistente virtual Clara, via WhatsApp no número (91) 3217 8200, pelo site www.equatorialenergia.com.br e ainda pelo App Equatorial Energia, disponível para dispositivos Android e IOS”.  

(Caetano Silva)

Publicidade