Jacundá: Inconformado com a derrota, Ismael Barbosa recorre ao TSE

O prefeito, candidato à reeleição, pretende anular o pleito no qual ficou em terceiro lugar na preferência dos eleitores
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Prefeito Ismael Barbosa

Continua depois da publicidade

Inconformado com a derrota nas eleições municipais de 15 de novembro, o prefeito Ismael Barbosa, do Podemos de Jacundá, entrou com recurso especial eleitoral no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), na tentativa de reformar decisão do pleno do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PA), que validou a filiação do então candidato a vice-prefeito Celso Marcos, da coligação Unidos pelo Bem de Jacundá, pelo Pros.

Antes das eleições, o pleno do TRE-PA julgou procedente a filiação do candidato Celso Marcos, vice-prefeito eleito na chapa de Itonir Tavares (PL), e considerou ilegítima a participação do Podemos no processo de pedido de impugnação.

Chapolin, como é conhecido o
candidato a vice Celso Marcos,
venceu duas vezes no TRE

Na semana passada, um embargo de declaração impetrado pelo Podemos, representado pelo advogado e ex-secretário de Finanças da Prefeitura de Jacundá, Sérgio Ribeiro Correia Junior, que pedia reformulação da decisão, foi julgado e por, 7 a 0, a corte manteve a decisão anterior.

Agora, assinada pelo advogado Inocêncio Mártires, a peça, com 24 páginas, protocolada no TSE, tenta reverter as decisões do TRE Pará e pede que a participação do Podemos seja considerada legítima para promover ação de impugnação contra a candidatura de Celso Marcos, “considerando o regime de aliança parcial ou em virtude do resgate da legitimidade de agir depois do dia da eleição”.

O Podemos de Jacundá tenta impugnar o registro da candidatura a vice-prefeito de Celso Marcos, alegando que, até 24 de abril de 2020, ele estava filiado ao PSDB e filiou-se ao Pros em 7 de maio passado. Ou seja, bem abaixo do prazo mínimo de seis meses de filiação estipulado pela Justiça Eleitoral para concorrer às eleições.

Com mais essa tentativa, caso vença no TSE, o Podemos espera novas eleições em Jacundá, uma vez que, de acordo com a Legislação Eleitoral, a impugnação de um dos nomes que compõe a chapa majoritária a torna totalmente inviabilizada, seguindo o princípio da indissolubilidade. Procurado sobre o assunto, o prefeito Ismael Barbosa não respondeu à mensagem enviada.

Eleitos com 14.231 (57,66% válidos) votos, Itonir e Celso Marcos obtiveram a maior votação da história eleitoral de Jacundá. O atual prefeito Ismael Barbosa, candidato à reeleição, ficou em terceiro lugar com 3.930 votos, ou seja, 15,92%. (Antonio Barroso)