Impacto do Prosap ao patrimônio arqueológico de Parauapebas será nulo

Obra, que segue a todo vapor, terá impacto limitado apenas ao meio aquático e à área urbana, segundo parecer técnico examinado pelo Iphan. Igarapé Lajeado terá intervenção de 12,4 Km.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Uma medida publicada na edição do Diário Oficial da União (DOU) desta segunda-feira (27) favorece a segurança jurídica no andamento do Programa de Saneamento Ambiental de Parauapebas (Prosap) e da recuperação do Igarapé Lajeado, na zona urbana do município, ao menos do ponto de vista arqueológico. O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), órgão vinculado ao Ministério do Turismo, aprovou parecer técnico em que não há evidências de impactos e danos ao patrimônio arqueológico na capital do minério. As informações foram levantadas pelo Blog do Zé Dudu. A portaria publicada hoje no DOU pode ser conferida aqui.

O parecer técnico, assinado por arqueólogos, tem em vista a análise da fundamentação do processo do Prosap, levando em conta o projeto de avaliação de impacto ao patrimônio arqueológico constante do programa, atualmente tocado pela Prefeitura de Parauapebas. De acordo com o Iphan, o processo de avaliação de impacto do Prosap foi examinado e está em linha com o disposto na legislação que regulamenta o patrimônio arqueológico.

Saiba mais:
Conheça o projeto PROSAP em vídeo

O Blog do Zé Dudu analisou a Ficha de Caracterização de Atividade (FCA), protocolada pela Prefeitura de Parauapebas no Iphan em 14 de fevereiro deste ano, e observou que o Prosap não vai mesmo afetar qualquer eventual patrimônio histórico e tombado do município, nem bens culturais tampouco cavidades naturais subterrâneas. Os impactos restringem-se ao meio aquático e à área urbana.

Maior obra de infraestrutura de saneamento de Parauapebas, o Prosap contempla também a recuperação e a revitalização do Igarapé Lajeado no trecho urbano entre o Bairro Cidade Jardim e o Rio Parauapebas, onde o igarapé deságua, totalizando 12,36 quilômetros de extensão, parte das quais será mantida intacta, sendo retificados apenas os trechos nos quais serão construídos taludes visando à estabilidade das margens. Nesse percurso também não há patrimônio arqueológico a ser afetado.

Parauapebas é um lugar rico em cavernas de interesse arqueológico, geralmente descobertas por ocasião de licenciamento de projetos de mineração de ferro, mas essas cavidades estão localizadas nos confins do município.

Publicidade