Homem morre sentado após cair de moto e beber água em casa de amigo

O caso se registrou na zona rural de Curionópolis, onde um colono amanheceu caído, na porta do amigo, ao lado da moto
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Um caso inusitado ocorreu na manhã de ontem, quinta-feira (16), quando o colono Antônio Rodrigues Bezerra, 47 anos, morreu após beber água na casa de um amigo, depois de ter caído da moto que pilotava. O caso ocorreu na localidade Lagoa Preta, zona rural de Curionópolis, distante aproximadamente 28 quilômetros do centro de Parauapebas.

De acordo com o também colono Manuel Pereira Soares, amigo de Antônio, era por volta das 5h da madrugada quando ele levantou para tirar leite, momento em que se deparou, em frente à sua casa, com o homem caído no chão, ao lado da moto dele, uma Honda Bros vermelha. “Chamei ele e ele levantou. Então perguntei que horas ele havia chegado ali e ele não soube responder, estava muito embriagado. Perguntei se estava machucado e ele me respondeu que não e disse que logo iria embora para sua casa na Vila Palmares I”, conta o amigo.

Manoel Soares diz que, depois disso, foi para o curral tirar o leite e, quando retornou, Antônio, que ainda estava na casa dele, pediu para usar o banheiro, retornou, lavou as mãos, tomou água da torneira e sentou em uma cadeira.

“Então falei que iria na Palmares deixar um amigo no serviço”, relatou o colono, acrescentando, que logo retornou e, quando chegou, Antônio ainda estava sentado na cadeira instante em que ele observou que o amigo tinha várias escoriações no corpo.

Manoel Soares, então, foi até o Posto de saúde da Vila Palmares providenciar uma ambulância, mas, quando chegou com o veículo, foi constatado que Antônio estava morto.

Imediatamente, comunicou o caso à polícia, que enviou uma equipe da 20ª Seccional de Polícia Civil de Parauapebas, acompanhada de uma equipe de remoção do Instituto Médico Legal, que se dirigiram ao local para remover o corpo do trabalhador rural.

(Caetano Silva)

Publicidade