A um mês do final do ano, Câmara quer limpar a pauta

Reunião do Colégio de Líderes definiu prioridades de projetos que serão votados
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Reunião do Colégio de Líderes da Câmara dos Deputados

Continua depois da publicidade

Brasília – O Colégio de Líderes da Câmara dos Deputados, em reunião na última quinta-feira (18), fez uma projeção do que pode ser votado nesta semana, há menos de um mês para o fim do ano legislativo.

Os deputados se mobilizam para concluir a votação de matérias importantes que continuam na pauta. A semana legislativa tem na pauta, as medidas provisórias 1061, 1063 e 69, que são conjuntas.

“Nós temos uma pauta da PEC 10, do PSDB, a pedido do deputado Rodrigo de Castro (PSDB-MG), que muito provavelmente terá apoio de quase todos os partidos. E nós temos diversos projetos, ou que retornaram do Senado, com relação a comunidades terapêuticas e outros temas que também retornaram do Senado. (Temos) uma pauta mais tranquila para essa semana”, disse o presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL).

A MP 1061 cria o programa Auxílio Brasil, que substitui o Bolsa Família. O novo programa prevê nove tipos de ações de transferência de renda por meio de benefícios financeiros a famílias em situação de extrema pobreza.

Já as MP 1063 e 1069, citadas pelo presidente, tratam de novas regras para o varejo de combustíveis. Antes, os postos vinculados a uma “bandeira” ou distribuidor específico eram proibidos de vender combustível de outro fornecedor. A MP 1063/2021 acaba com isso, mas a mudança só terá efeito após regulamentação pela Agência Nacional do Petróleo. Editada logo depois, a MP 1069 permite que a regulamentação de novas regras seja feita por meio de decreto.

A Proposta de Emenda à Constituição 10 de 2021 visa manter incentivos e benefícios tributários para empresas de tecnologia da informação e de comunicação, excluindo o setor da política de redução gradual desses benefícios instituída pela Emenda Constitucional 109 (oriunda da PEC Emergencial).

Entre as propostas que chegam do Senado, está o projeto que tipifica a injúria racial como crime de racismo (PL 4.373/2020). Já o projeto de lei complementar (PLP 134/2019), regulamenta a imunidade tributária de entidades filantrópicas das áreas de saúde, assistência social e educação. Já aprovada na Câmara, a matéria retorna do Senado com a reinserção das comunidades terapêuticas, que buscam recuperar dependentes químicos, no rol das entidades aptas a se certificarem como beneficentes.

Com a urgência aprovada na semana passada, pode ser votado ainda o projeto (1.417/2021) que destina R$ dois bilhões a título de auxílio financeiro emergencial às santas casas e aos hospitais filantrópicos. Representante da Frente Parlamentar da Saúde, a deputada Carmen Zanotto (Cidadania-SC), falou do acordo em torno da votação da matéria.

“A partir de um diálogo construído com o Governo há vários meses, inclusive de uma reunião com o próprio Presidente da República, na qual estava o nosso Presidente da Frente Parlamentar de Apoio às Santas Casas, Hospitais e Entidades Filantrópicas, o nobre Deputado Antonio Brito, todas as entidades representativas dos hospitais filantrópicos — são 17 as instituições da nossa federação e 1.819 hospitais no nosso País —, foi solicitado um auxílio emergencial para esses hospitais, que foram a grande porta de entrada para o atendimento dos pacientes com Covid-19, seja nas enfermarias, seja nas UTIs.”

Reportagem: Val-André Mutran – Correspondente do Blog do Zé Dudu em Brasília.