Governo Federal manda “merreca” a Parauapebas para enfrentar Covid-19

Município faz revezamento com Canaã como lugar que mais contribui para orgulho nacional do superávit na balança do país. Não fosse ser financeiramente rico, estaria em situação difícil na pandemia.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Não fosse Parauapebas ter recursos financeiros abundantes para enfrentamento dos meses mais duros da pandemia de Covid-19, os atuais 375 óbitos registrados até ontem (11) poderiam ser muito mais. Nesta quarta-feira (12), o Governo Federal publicou no Diário Oficial da União (DOU) o listão de socorro financeiro disponibilizado a Parauapebas e aos demais municípios brasileiros, em caráter excepcional, para custear, no âmbito da atenção primária, ações de enfrentamento ao coronavírus. Os valores são decepcionantes.

As informações foram levantadas pelo Blog do Zé Dudu e podem ser conferidas aqui. O município de Parauapebas terá direito, em parcela única, a R$ 858.674,07. Com esse valor, Parauapebas mal conseguiria comprar 5.000 testes para covid do tipo RT-PCR, o que seria insuficiente para testar cerca de 200 mil habitantes — mesmo considerando-se que 49 mil cidadãos já contraíram a doença. Atualmente, Parauapebas faz revezamento com Canaã dos Carajás como município brasileiro que mais contribui para o superávit na balança comercial, uma espécie de orgulho nacional.

Graças ao bom momento financeiro por que passa, com fartos e abundantes royalties de mineração, Parauapebas não surta com valores tão irrisórios para o enfrentamento a uma doença grave e letal, como a Covid-19. O orçamento da saúde municipal previsto para este ano é estimado em R$ 305 milhões, e já foram pagos até o momento R$ 111,5 milhões, conforme apurou o Blog do Zé Dudu.

Matemática

Para chegar à conta do valor anunciado, o Ministério da Saúde considerou valores per capita da população total (R$ 1,88 por parauapebense, totalizando R$ 391.553,24), de idosos (R$ 4,84 por idoso, totalizando R$ 52.233,28), de atendimento nutricional (R$ 50,50 por criança e gestante, totalizando R$ 360.458,35) e povos tradicionais e comunidades (em valores médios que chegam a R$ 2.721,46, por equipe de atenção primária, totalizando R$ 54.429,20).

Na região, Marabá é quem vai receber mais socorro (R$ 904.315,39), mas também o recurso não chega a R$ 1 milhão. Na microrregião, depois de Parauapebas, quem mais recebe são Canaã dos Carajás, R$ 219.859,64; Eldorado do Carajás, R$ 151.414,40; Água Azul do Norte, R$ 145.709,08; e Curionópolis, R$ 114.041,38.

Auxílio-barriga

O Ministério da Saúde também anunciou hoje (veja aqui) a liberação de recursos, em caráter excepcional e temporário, para ações estratégicas de apoio à gestação, ao pré-natal e ao puerpério, em decorrência do atual momento de coronavírus. Parauapebas vai receber R$ 8,50 por 2.530 gestantes cadastradas nas bases do ministério, totalizando R$ 21.505,00, além dos valores de R$ 37.410,00, R$ 30.400,00, R$ 7.200,00 e R$ 99,72 para custear a implementação de diversas ações estratégicas