Governo do Pará normatiza trabalho de detentos e garante qualificação profissional

A norma garantirá remição de pena aos custodiados que optarem pelo trabalho, a profissionalização na área escolhida, além da possibilidade do recebimento de bolsa pelas atividades prestadas
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Utilizado como medida ressocializadora, o trabalho prisional desenvolvido pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) passa a contar com uma normatização completa e detalhada. Desenvolvida pela Diretoria de Reinserção Social (DRS), a portaria que normatiza e estabelece procedimentos para o trabalho de pessoas privadas de liberdade e egressos permite a padronização das atividades, a profissionalização e maior segurança dos internos, geração de renda e o fechamento de convênios/termos de cooperação com instituições e empresas parceiras.

O trabalho prisional passa a ser classificado de duas formas: Operações de Produção – com as atividades de agropecuária, artefatos de concreto, artesanatos, corte e costura industrial, fraldas descartáveis, marcenaria, panificação e confeitaria, produtos de limpeza, reciclagem, sandálias, serralheria e vassouraria; e Prestação de Serviços – com atividades de conservação e recuperação ambiental, distribuição de alimentação, higienização, limpeza e desinfecção de unidades prisionais, de órgãos públicos, de vias públicas, manutenção de equipamentos de informática, de instalações prediais e de serviços gerais e lavanderia. A jornada de trabalho será de no mínimo 6h e no máximo 8h diárias, respeitados os domingos e feriados.

A portaria, que atenderá presos provisórios, sentenciados e egressos – incluindo os idosos e pessoas com necessidades especiais – garantirá remição de pena aos custodiados que optarem pelo trabalho, a profissionalização na área escolhida, além da possibilidade do recebimento de bolsa pelas atividades prestadas.

O custodiado será avaliado quanto sua aptidão por equipe multidisciplinar e passará por triagem biopsicossocial, sendo garantido a este, também, a emissão dos documentos que precisar e a geração ou informação do Número de Identificação do Trabalhador (NIT), para a garantia de benefícios previdenciários no Regime Geral de Previdência Social do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) como segurado facultativo. Aos contratantes, os parceiros conveniados, a Seap garantirá que sejam atendidas suas necessidades quanto ao perfil profissional e mão de obra qualificada.

Estima-se que as unidades prisionais e seu processo produtivo estejam interligados e sejam interdependentes, para isto, o ambiente destinado à produção será estruturado quanto à demanda e adequado a utilização pelos trabalhadores/custodiados.

A profissionalização do trabalho prisional além de beneficiar os internos quanto ao que estabelece a Lei de Execução Penal, oferece mão de obra capacitada às empresas parceiras e economia ao estado, com a utilização própria dos produtos e serviços resultantes das produções.

Reinserção social

Alinhada às diretrizes do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), a portaria visa normatizar, organizar e reestruturar a reinserção social do custodiado pelo trabalho prisional, orientando a utilização da mão de obra prisional, sobretudo em tempos de pandemia.

“A publicação da portaria é um o esforço do estado do Pará que merece reconhecimento, principalmente nesse período de pandemia. A implementação de unidades produtivas autossustentáveis desonera, em parte, a manutenção do preso no sistema prisional e dificulta a ação de facções criminosas que aproveitam da dificuldade financeira do preso para cooptá-lo”, considerou Henrique Resende, coordenador de Trabalho e Renda do Depen.

Belchior Machado, diretor de Reinserção Social da Seap, identifica a portaria de trabalho prisional como um marco de regulamentação dessa atividade no sistema penitenciário do Estado do Pará. “Buscamos desenvolver um instrumento capaz de tratar desde a seleção de pessoas privadas de liberdade – passando pelo acompanhamento, cuidados com a segurança do trabalho, a forma de trabalho e remuneração – às produções das unidades prisionais. Com isso, esperamos dar organização e avançar na estruturação do trabalho prisional no Pará”, afirmou o diretor.

(Agência Pará)

Publicidade