Governo do Estado vai aplicar R$ 60 milhões na recuperação da PA-275

Lote 1, que contempla subtrecho entre Eldorado e Curionópolis, é orçado em R$ 28,5 milhões. Já o 2, de Curionópolis a Parauapebas, é orçado em R$ 31,5 milhões. São 18 meses de obras.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Boa notícia para condutores que trafegam pelo maior corredor de riquezas do interior do Pará: o Governo do Estado está com uma licitação em curso para recuperar a rodovia PA-275, da área urbana de Parauapebas ao entroncamento da BR-155 em Eldorado do Carajás. A estrada é via intermediária que une as duas maiores e mais importantes cidades do sudeste paraense, Marabá e Parauapebas. Pela rodovia PA-275 circula, anualmente, um Produto Interno Bruto (PIB) avaliado em R$ 19,65 bilhões, que é a soma das riquezas produzidas pelos três municípios cortados pela estrada e por onde se deslocam pelo menos 250 mil habitantes. As informações foram levantadas pelo Blog do Zé Dudu.

Iniciado em maio, o processo licitatório havia sido suspenso no dia 8 deste mês para alterações e adaptações ao Termo de Referência que consubstancia a concorrência. As mudanças sequer foram necessárias. Nesta quarta-feira (29), a Secretaria de Estado de Transportes (Setran) divulgou no Diário Oficial do Estado o resultado da habilitação das empresas interessadas em pegar a megaempreitada. Estão no páreo a BA Engenharia e Meio Ambiente, a CFA Construções, Terraplenagem e Pavimentação, a JM Terraplenagem e a TSC Infraestrutura e Construções.

O Blog levantou que a obra de restauração da pista de rolamento e implantação de acostamento na PA-275 tem custo estimado em R$ 59.945.237,87 e é dividida em dois lotes para 18 meses de obras, a partir da assinatura da ordem de serviço. O primeiro lote, no valor de R$ 28.496.959,92 contempla o subtrecho entre Eldorado do Carajás e Curionópolis, totalizando 31,5 quilômetros de extensão. O segundo, com orçamento de R$ 31.448.277,95, é referente ao subtrecho de Curionópolis a Parauapebas, na extensão de 31,2 quilômetros. Dezenas de postos de trabalho serão gerados, tanto para engenheiros quanto para técnicos e auxiliares, nos dois subtrechos do empreendimento.

A PA-275 está implantada em zona onde não existe sistema de drenagem superficial eficiente que proteja o pavimento de erosões provocadas por velocidades excessivas da água para o tipo de solo da região. Por isso, é comum o aparecimento de acúmulo de águas nas laterais provenientes de rios e igarapés. Essas áreas são periodicamente inundáveis e vulneráveis no inverno amazônico, havendo necessidade de elevar o greide e implantar linhas de drenagem superficial (meio-fio, sarjeta, entradas e descidas d’água e dissipadores) e drenagem profunda (bueiro) a fim de garantir a segurança do trecho.

Segundo a Setran, “serão analisadas as condições geométricas da rodovia e determinada sua capacidade de tráfego para um período de dez anos”. Por se tratar de conservação e restauração, serão propostos melhoramentos localizados nos pontos de estrangulamento encontrados, elevação de greide, correção do traçado e adequação dos raios de curvatura.

Publicidade