Governo Adonei deixa rombo fiscal milionário em Curionópolis no 1º bimestre

Prefeitura diz que não há razões para falar em rombo porque ano ainda não terminou e porque tem dinheiro em caixa, mas o déficit fiscal é apontado por ela mesma em relatório.
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Do ponto de vista do resultado primário dos dois primeiros meses deste ano, a Prefeitura de Curionópolis é a que tem a situação mais grave entre as 71 que entregaram o relatório de prestação de contas bimestral. Diferença entre receitas e despesas, o resultado primário ficou no vermelho em R$ 1.724.539,23.

É o pior quadro fiscal entre as administrações paraenses (veja ranking dos municípios ao final da matéria), conforme indicado pela Secretaria do Tesouro Nacional (STN) a partir de dados do Relatório Resumido da Execução Orçamentária (RREO) enviado pelos governos municipais. No mesmo período do ano passado, a prefeitura havia assinalado superávit de R$ 4.552.163,56. As informações foram levantadas com exclusividade pelo Blog do Zé Dudu.

Administrado pelo festeiro prefeito Adonei Aguiar, o município de Curionópolis gastou mais que arrecadou nos primeiros dois meses deste ano, e que ninguém duvide: ele deve gastar muito mais. Festas caras e despesas executadas sem a devida publicação de informações no Portal da Transparência dão o tom da gestão e, ao mesmo tempo, afrontam a Lei de Transparência, criada para divulgar em tempo real receita e despesas de toda entidade pública (com o prazo máximo de 24 horas) em um site na internet. O Portal da Transparência de Curionópolis, aliás, foi atualizado faz mais de mês, conforme pode se constatar aqui.

Dinheiro no banco?

A Prefeitura de Curionópolis desconversa e alega que “não há como se falar de ‘rombo’, apontando superficialmente o déficit de R$ 1.724.539,23” sem, no entanto, “considerar o saldo inicial em banco de R$ 10.652.895,97”, o que, segundo ela, resulta na prática, ao final do referido bimestre, em “superávit financeiro de R$ 8.782.567,61 disponível”.

Mas a verdade não é bem assim. Na tentativa de confundir conceitos orçamentários, como resultado fiscal e resultado financeiro, a prefeitura alega ter dinheiro de sobra — e, de fato, tem haja vista promover eventos retumbantes, ao estilo “circo”, enquanto grande parte da população vive em situação de vulnerabilidade social e para as quais pode faltar o “pão”.

Só que, embora tenha dinheiro, os gastos orçamentários do primeiro bimestre foram superiores às receitas que entraram no mesmo período, do contrário o próprio governo não teria razões para assinalar déficit fiscal no balanço bimestral. Uma coisa é acumular dinheiro, outra, muito distinta, é gastar mais do que se ganha em determinado período. E ao agir assim, em sucessivos bimestres, é provável que o dinheiro “acumulado” em conta vire poeira em pouco tempo.

Apesar disso, o governo Adonei diz que “as contas públicas da Prefeitura Municipal de Curionópolis encontram-se devidamente em equilíbrio, não havendo razão de se concluir déficit real em apenas dois meses de execução com o exercício ainda em curso” e que “a gestão tem se preocupado continuamente em manter medidas de austeridade e controles das despesas, visando equalizar os gastos, sem comprometer os investimentos e obras públicas para a população”. Só não está claro se as despesas milionárias com shows fazem parte das tais “medidas de austeridade”. A conferir.

Publicidade

Relacionados