Em Marabá, Estado vistoria área de cheias e inicia entrega de cestas de alimentos a famílias afetadas

Governador Helder Barbalho esteve na cidade e sinalizou parceria para intervenção nas casas atingidas e pagamento de aluguel social para famílias desabrigadas
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

O governador Helder Barbalho esteve nesta terça-feira (11) em Marabá, e durante quase quatro horas verificou os estragos causados pelas enchentes anuais dos rios Tocantins e Itacaiúnas. O chefe do Executivo Estadual caminhou por ruas do bairro São Félix Pioneiro, e percorreu de lancha a orla da cidade. O governador, que estava acompanhado por técnicos da Defesa Civil e autoridades locais, também iniciou a entrega de 2,5 mil cestas de alimentos para famílias vítimas das cheias. Até o momento, não há registro de vítima fatal.

Helder Barbalho anunciou que técnicos do governo do Estado estão em contato permanente com as autoridades municipais para identificar as demandas da população atingida, para que o Estado possa auxiliar na intervenção estrutural das casas danificadas. O governador solicitou à prefeitura que avalie a necessidade de o Estado custear o pagamento do aluguel social para famílias vítimas das enchentes.

“Este é o momento que deve ter a atenção de todos nós, já que há uma antecipação do calendário [de cheia dos rios]. O que nos traz o alerta é o acompanhamento diário com a prefeitura, para que possamos atuar da melhor forma possível neste momento de muita dificuldade”, reiterou o governador.

De acordo com a Coordenadoria Estadual de Defesa Civil, a subida das águas já desalojou 588 famílias, enquanto 406 famílias estão desabrigadas. Já foram atingidos 335 ribeirinhos, e 156 famílias estão isoladas. O Rio Tocantins estava, na tarde de ontem, com 11,97 metros acima do nível normal. Os moradores estão alojados em 10 abrigos oficiais. Governo do Estado, Prefeitura de Marabá e Exército atuam juntos para minimizar os impactos da enchente na vida das pessoas.

“Continuaremos trabalhando em parceria com a prefeitura para fazer com que a presença dos órgãos governamentais possa cuidar e diminuir o sofrimento destas famílias”, acrescentou Helder Barbalho, ressaltando que vem acompanhando de perto toda a situação, e assegurando toda a assistência pelos órgãos estaduais. Além das cestas de alimentos, o governador autorizou a aquisição e distribuição de água, kits de higiene e roupas de cama.

O município de Marabá já está em situação de emergência, em processo de homologação pelo governo do Estado, que garante o atendimento necessário em razão das enchentes.

Parceria

O prefeito de Marabá, Sebastião Miranda Filho (Tião Miranda), informou que o município está executando um conjunto de ações para enfrentar a situação, mas o auxílio do governo do Estado é fundamental para avançar nas frentes de trabalho. “Eu, que nasci nesta cidade, é a primeira vez que vejo uma enchente como esta no mês de janeiro. Estamos preocupados, porque estamos no período de chuvas e cheias. Estamos com muitas ações em andamento. Essa parceria com o governo do Estado é importante para atender a população”, afirmou o prefeito.

O coordenador-adjunto Estadual de Defesa Civil (Cedec), coronel Jaime Benjó, reiterou as orientações para população no período de enchentes. “Quando as pessoas perceberem que o nível de água está aumentando, orientamos que se desloquem para casa de parentes ou para local que não haja risco, buscando proteção. Automaticamente, os órgãos oficiais, em especial a Defesa Civil do Estado, estarão presentes, para junto com o município realizar o cadastro das famílias e buscar mitigar os efeitos das enchentes e o impacto nestas pessoas”, disse ele.

Apoio imediato

São mais de 2,5 mil cestas, que representam quase 60 toneladas de alimentos. Os alimentos entregues podem atender uma família de cinco pessoas por até 30 dias.

A ação conjunta do Estado e Município para o atendimento humanitário foi iniciada na última quinta-feira (6), com o sobrevoo entre a área urbana de Marabá e a barragem da Usina Hidrelétrica de Tucuruí (UHT), para fazer o levantamento fotográfico que subsidiou o plano de ação para enfrentar os danos identificados. Naquela data, o nível dos rios já alcançava 11,68 metros. Na sexta-feira (7), após reunião estratégica, foi garantido apoio para as regiões afetadas.

(Fonte: Agência Pará. Imagens: Marcelo Seabra)