Defensoria Pública do Pará vai nomear assessor jurídico para Parauapebas

Com atendimento parcialmente suspenso, órgão busca saída legal para a contratação de servidores no município
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Diante do maior dilema que já viveu em Parauapebas, com o retorno de nove servidores municipais para os órgãos de origem, o núcleo da Defensoria Pública no município irá nomear um assessor jurídico para orientar sobre as medidas legais que podem ser tomadas para resolver o problema que obrigou o órgão a suspender o atendimento para novos casos na região.

A nomeação foi decidida na reunião de ontem (22), em Belém, entre a coordenadora do núcleo de Parauapebas, Kelly Soares, com a defensora pública geral, Jennifer Rodrigues, e com a defensora do Interior, Paulo Michelly de Brito, que se veem diante de um grande desafio para manter o funcionamento normal da Defensoria. E isso ainda vai levar um tempo já que não depende exclusivamente do órgão. Kelly Soares espera que até fevereiro tudo, ou praticamente tudo, esteja resolvido.

E uma alternativa encontrada na reunião está na contratação de estagiários do curso de Direito, para assessorar os seis defensores públicos do município. Um convênio já está em andamento com a Faculdade Metropolitana de Parauapebas (Famep). “O convênio ainda precisa de algumas documentações e (os estagiários) não estão prontos ainda para serem nomeados, mas a gente espera nos próximos meses resolver isso”, diz Kelly Soares, que ainda se encontra na capital e deverá retornar para Parauapebas na sexta-feira (25).

No município, a defensora esperar receber a resposta do gabinete do prefeito Darci Lermen, para um pedido de reunião. A Defensoria busca uma brecha legal que permita o retorno dos servidores municipais às atividades no núcleo até a realização de concurso público, conforme fixado pela Constituição Federal e cujo cumprimento tem sido exigido pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) a todas as prefeituras.

Em busca de melhorias

Enquanto tenta solucionar o problema da falta de pessoal, a coordenadora da Defensoria se movimenta para promover melhorias no atendimento em Parauapebas. E deu início ao procedimento para modernização do parque de informática do núcleo e aquisição de linha telefônica, para a instalação do Serviço 129, para permitir que os cidadãos façam o agendamento inicial por telefone – fixo ou celular -, sem necessidade de ir ao prédio da Defensoria e enfrentar fila.

“Os atendimentos de urgências e de retornos continuarão diretamente com agendamento presencial na Defensoria”, explica Kelly Soares, para esclarecer que ainda não tem data para o lançamento dos novos serviços. “Isso não vai ser implementado de imediato porque tem os trâmites a serem realizados”, diz a coordenadora.

Publicidade