Parauapebas

Wanterlor Bandeira deixa a Semsi e volta pra Câmara Municipal

Perdeu a prefeitura, ganhou a Câmara Municipal de Parauapebas com a contratação de Wanterlor Bandeira. Secretário municipal de Segurança Institucional e Defesa do Cidadão até segunda-feira (21), ele volta a assumir uma função na casa legislativa já velha conhecida, a de diretor administrativo pela quarta vez.

Por meio de carta, Wanterlor entregou o cargo de titular da Semsi em dezembro do ano passado quando o prefeito Darci Lermen prometeu anunciar sobre a reforma administrativa na prefeitura e mudanças no secretariado, o que até hoje não ocorreu. “Saio em paz e agradecido”, afirma Wanterlor, com o jeito diplomático de ser e que marca a sua trajetória na política de Parauapebas, tanto que transita livremente por todos ou quase todos os partidos. E é o “queridinho” da Imprensa de Parauapebas já que está sempre atento e disponível para prestar esclarecimentos.

Foi chefe de Gabinete do ex-prefeito Valmir da Integral, mas antes disso trabalhou por 14 anos na mineradora Vale, foi vereador, diretor administrativo da Secretaria Municipal de Obras (Semob), diretor do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saaep) até ser convidado para assumir a Semsi, onde permaneceu por 14 meses.

Nascido em Jacundá, Wanterlor é pioneiro de Parauapebas, onde chegou há 35 anos, portanto antes da emancipação política do município. “Então podemos dizer que você conhece cada palmo desse chão”, pergunta a reportagem. “Cada palmo desse chão, cada rua, cada bairro”, sorri ele.

No lugar de Wanterlor, assume o ex-diretor do Departamento Municipal de Trânsito e Transporte (DMTT), Glauber Mota. “Inclusive, o Mota foi indicação minha para o DMTT. Eu o levei porque confio na capacidade dele para desenvolver as tarefas”, assinala Wanterlor, que no pouco tempo que permaneceu à frente da Semsi deu passos importantes para a melhoria da segurança municipal.

“Deixamos uma secretaria organizada, reestruturada, com servidores qualificados e trabalhando em prol do cidadão, que realmente precisa e tem todo o direito de ter um serviço de excelência”, frisa Wanterlor, que estava cheio de projetos à frente da Semsi. Aquilo que ele não conseguiu realizar, deixou engatilhado para o seu sucessor. “Acho que o Mota não terá dificuldade até porque é do ramo, é um companheiro qualificado, competente. É servidor concursado e conhece”.

Avanços na cidade

Em 14 meses, Wanterlor Bandeira conseguiu dar uma nova cara para a Defesa Civil, hoje reconhecida como uma das melhores do Pará. Para isso, houve preocupação em qualificar os servidores, principalmente para enfrentamento às enchentes do rio Parauapebas, que coloca a cidade em estado de alerta todo início de ano.

Wanterlor reconhece que ainda falta oferecer melhor estrutura para a Defesa Civil executar seu trabalho. Uma das ideias é monitorar o rio durante o inverno, com uso de sirenes, para alertar os moradores quando o rio subir acima do limite.

Com o DMTT, o índice de acidentes no trânsito foi reduzido em quase 25% de um ano para outro, inclusive com menos vítimas fatais. Contribuíram para isso as campanhas e a instalação do novo sistema semafórico. “Hoje temos um dos melhores sistemas semafóricos do Pará”, assegura Wanterlor Bandeira, para informar que já está em andamento, na prefeitura, processo para ampliar o sistema de videomonitoramento no município.

Sobre a sinalização nas ruas, muito reclamada pela população, o ex-secretário afirma que o serviço já vem sendo realizado por duas equipes, num trabalho de 24 horas. Outro avanço foi no Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC), cujo prédio foi reformado para garantir mais conforto à população. Mais do que isso, o órgão agora já expede carteiras de trabalho no próprio município, uma antiga reivindicação dos trabalhadores.

“Também deixamos o processo aberto para a construção do novo prédio do DMTT e assim dar melhores condições para os usuários e para os servidores. Deixamos pronta a Patrulha Maria da Penha. Conseguimos carros e equipamentos como moto e veículo para Guarda Municipal e DMTT”, enumera Wanterlor Bandeira, que destaca que o trabalho foi coletivo com os servidores da Semsi.

Renascimento da Guarda Municipal

Wanterlor Bandeira não esconde o carinho que tem pela Guarda Municipal, hoje com 74 agentes. Eram 100, mas alguns se aposentaram, outros mudaram de profissão, houve falecimentos e há guardas que enfrentam problema psicológico. Para Wanterlor, é preciso que a prefeitura volte a fazer concurso para novas contratações até porque o município cresceu e, a cada dia, exige mais segurança.

“Pegamos uma Guarda Municipal que estava aquartelada e negociamos, discutimos, e botamos nas ruas, mais motivada, trabalhando em prol do cidadão”, orgulha-se o ex-titular da Semsi, que encaminhou estudo para a Secretaria de Estado de Segurança Pública (Segup), sugerindo parceria a fim de equipar a GMP com taser (equipamento de choque) e armamento. Isso, depois de os agentes realizarem curso de qualificação e treinamento.

Ficou nos planos de Wanterlor construir uma sede mais adequada para a Guarda Municipal, com armaria e canil. “Outra coisa importante que criamos foi a Banda de Música da Guarda Municipal. A Banda de Música é uma porta de entrada, um cartão de visita, para trazer a comunidade para dentro da Guarda Municipal”, considera ele.

Com a música, a proposta de Wanterlor é atrair crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade, que sejam estudantes municipais, para o aprendizado de algum instrumento. Poderiam ganhar até uma bolsa para se motivar. “Com a compra de novos instrumentos, construção da sala de música, no segundo período esses alunos poderiam fazer música e ganhar uma bolsazinha, talvez de R$ 200. Isso iria tirá-los da rua e daria a eles uma expectativa de vida melhor”, planeja Wanterlor Bandeira, que agora levará seus planos e sonhos para a casa parlamentar.

Deixe seu comentário