Comércio varejista de Marabá se prepara para os novos desafios de 2018

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Por Eleutério Gomes – de Marabá

Diante das mudanças pelas quais Marabá começa a passar, sobretudo com a inauguração do Centro de Convenções, e de mudanças também na legislação trabalhista e no sistema tributário, em relação ao Simples Nacional, o Sindicom (Sindicato Patronal do Comércio Varejista de Marabá), que hoje congrega 132 filiados e 80 contribuintes, reuniu sua diretoria na noite de ontem, terça-feira (19). O objetivo foi traçar estratégias para 2018, já que hoje o comércio, fora o serviço público, é o maior empregador de Marabá, mas, devido ao cenário econômico do País, também vem enfrentando dificuldades.

O presidente do Sindicom, Félix Gonçalves de Miranda, abriu a reunião alertando para o fato de Marabá preparar os próprios profissionais, a fim de que, daqui a algum tempo a cidade possa mesmo se apoderar do Centro, que, em princípio será gerido por uma OS (Organização Social) escolhida pelo governo do Estado.

Falou, inclusive, da possibilidade de o Senac (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial) vir a ocupar um espaço no complexo de convenções e assim, ampliar sua oferta de cursos.

Legislação trabalhista

Lembrou ainda da aprovação da lei que altera as alíquotas da Cefem (Compensação Financeira sobre Produtos Minerais), já sancionada pelo presidente da República, e das vantagens que isso pode trazer, entre outros assuntos de interesse da classe.

A seguir, o assessor executivo do Sindicom, Raimundo Alves Neto, disse aos demais diretores que, de agora em diante, é muito importante que a classe esteja mais unida, tendo em vista que 696 pontos da legislação trabalhista foram alterados e é necessário que todos estejam afinados por ocasião das negociações com os sindicatos de trabalhadores.

Neto disse que é preciso manter o sindicato autossustentável, a fim de que o órgão possa sempre prestar um bom serviço aos seus associados, que, no dia a dia passam por fiscalizações de toda ordem, e ainda enfrentam o desafio de manter a empregabilidade no município.

“Hoje o Sindicom é uma referência no Estado do Pará em termos de organização e atuação, volta e meia recebemos consultas de sindicatos de outras cidades e queremos nos manter nessa posição, mas é preciso que nos reunamos mais, sempre ouvindo as necessidades de cada associado para poder atendê-lo da melhor maneira possível”, disse Neto.

União de classes

O assessor executivo do Sindicom também pregou a união de forças com outras entidades de classe empresarial de Marabá como Acim (Associação Comercial e Industrial), Conjove (Conselho de Jovens Empresários) e CDL (Câmara de Dirigentes Lojistas).

Aberta a palavra aos demais diretores, vários elogiaram a iniciativa, prometeram comparecer mais às reuniões, que agora se darão de 60 em 60 dias, e falaram rapidamente de várias questões que afligem a classe, especialmente, acerca da nova legislação, trabalhista, para a qual é preciso estarem preparados por ocasião de audiências na Justiça do Trabalho e na discussão de acordos coletivos com os trabalhadores.

Ouvido pelo Blog, Raimundo Neto disse que o Sindicom vem trabalhando também na elaboração de um cronograma de trabalho para 2018;  mudança de local da sede o Sindicato, que hoje funciona em sala na sede da Acim; campanha de filiação, participação nos conselhos municipais; aproximação com os contadores para a melhoria dos serviços prestados; formação da Junta de Conciliação Prévia Trabalhista; revisão dos convênios; e formação de comissões para atuarem junto com o Legislativo Municipal, o Executivo, o Ministério Público e a Secretaria de Estado de Fazenda, “em defesa da classe”.

Publicidade