Campanha de vacinação contra Sarampo e Poliomelite é prorrogada no Pará

Sespa estende campanha até 20 de dezembro para ampliar cobertura vacinal, que está abaixo da média recomendada pelo Ministério da Saúde
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

As campanhas de vacinação contra o sarampo e a poliomielite, que encerrariam nesta segunda-feira (3), foram prorrogadas até o dia 20 de dezembro em todo o estado. A medida foi tomada pela Secretaria de Saúde do Pará (Sespa) com o objetivo de ampliar a cobertura vacinal, que está bem abaixo da média recomendada pelo Ministério da Saúde.

No Pará, a vacinação contra o sarampo imunizou apenas 877 mil pessoas, entre 20 e 49 anos, quando deveria vacinar cerca de 3,5 milhões de pessoas – uma taxa de apenas 25%, segundo a Sespa. Já o índice de vacinação contra a poliomelite, de crianças de 1 a 4 anos, imunizou cerca 322 mil, atingindo apenas 54,11% da meta preconizada pelo MS.

Apesar da vacina proteger crianças e adultos contra doenças graves, a população não tem procurado as unidades de saúde. Para a Sespa, a baixa procura seria motivada pela pandemia da Covid-19.

Poliomelite

Uma doença altamente infecciosa causada por um vírus que invade o sistema nervoso e pode causar paralisia total em questão de horas. Os sintomas iniciais são febre, fadiga, dor de cabeça, vômitos, rigidez do pescoço e dor nos membros. Uma em cada 200 infecções causa paralisia irreversível, geralmente nas pernas. Entre os acometidos, 5% a 10% vêm a óbito quando há paralisia dos músculos respiratórios.

Sarampo

É uma doença infecciosa, altamente contagiosa e causada por vírus do gênero Morbillivirus. A doença pode ser contraída por pessoas de qualquer idade, mas tem maior incidência em crianças com menos de um ano de idade. A contaminação é feita pelo ar, provocada por espirros, tosse e outras formas de contato com secreções contaminadas.

Em 2020, o Pará já tem 5.372 casos confirmados, o que corresponde a 64,4% do total de casos confirmados no Brasil.

Por Dayse Gomes