Câmara realiza sessão extraordinária relâmpago com álcool em gel, máscaras e distância entre parlamentares

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on print
Por acordo, os parlamentares mantiveram uma distância mínima de um metro, sem aglomeração e rodinhas de conversa. Na Mesa do Plenário, estavam disponíveis vários frascos de álcool em gel para uso dos deputados e servidores presentes à sessão

Continua depois da publicidade

Brasília – Num dia tumultuado de decisões contraditórias e idas e vindas, no final da tarde desta terça-feira (17), pressionado pelos líderes partidários, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), voltou atrás e convocou sessão extraordinária deliberativa iniciada no início da noite, apenas com líderes ou vice-líderes dos partidos num plenário esvaziado, e algumas medidas preventivas: álcool em gel, parlamentares usando máscaras de proteção e distância mínima entre os políticos, além da proibição de circulação de assessores dentro do plenário.

Nesta tarde, o Blog do Zé Dudu publicou a posição da Presidência de não realizar a Sessão Conjunta do Congresso Nacional. A sessão do Congresso Nacional tinha na pauta a análise, discussão e votação de nove vetos presidenciais e três projetos de lei (PLNs) sobre o orçamento impositivo, mas foi cancelada por decisão do Presidente do Congresso Nacional, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP). A nova sessão foi convocada para o dia 26 de março e ainda não se sabe se será presencial.

Democracia

Ao justificar que “o Congresso só fechou na ditadura e não vai fechar mais,” Rodrigo Maia disse que o momento é de construir consensos: “Esquece a briga, esquece o conflito. Vamos resolver os problemas em conjunto”.

Em coletiva para a imprensa no Salão Verde da Câmara, o presidente da Câmara afirmou que nunca se cogitou fechar o Congresso Nacional em razão da crise do coronavírus. “Nunca vai fechar,” disse após reunião com líderes partidários sobre a pauta de votações da Casa nas semanas que durarem as medidas de quarentena sugeridas em razão da pandemia do COVID-19.

Deputado Kim Kataguiri, líder do partido Democratas, é de São Paulo – estado com maior números de casos do COVID-19 e onde foi registrada, nesta terça-feira (17), a primeira morte ocasionada pela doença

Maia informou que, a partir da semana que vem, as votações serão realizadas à distância. Segundo ele, permanecerão em Brasília integrantes da Mesa Diretora e os líderes (ou o primeiro vice-líder) de cada partido, e os demais poderão votar remotamente, por meio de um aplicativo que está sendo desenvolvido pela Diretoria de Inovação e Tecnologia da Informação da Câmara.

“Na hora da votação, vamos colocar o sistema no plenário e fazer as votações, com a presença minha e dos líderes, para que se mantenha o Plenário funcionando mesmo com a parte dos votos vindo de forma remota,” explicou Maia.

Por Val-André Mutran – Correspondente do Blog do Zé Dudu em Brasília

Publicidade