Bom Jesus contrata assessoria para farejar tributos sonegados

Governo municipal está de olho em incrementar caixa com ISS, IPTU e ITBI. Por isso, abriu a carteira para gastar R$ 1,2 milhão com consultoria, metade do que arrecadou com impostos.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Prefeitos de municípios com baixa capacidade econômico-financeira estão ficando cada vez mais espertos para um mundo novo que tem se aberto via inexigibilidade de licitação: contratar assessorias para buscar na marra fundos perdidos, aquele dinheiro que os sonegadores admitem que devem, e não negam, mas pagam quando puderem.

Em Bom Jesus do Tocantins, por exemplo, o prefeito João Rocha contatou uma consultoria técnica para prestação de serviços à administração municipal nas áreas fiscal e tributária, com vistas a identificar potenciais caloteiros. O contrato com a Fiscon (Fiscalização Contábil Ltda.) foi firmado ainda no ano passado, mas só agora acaba de ser encaminhado para apreciação do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM). A informação foi levantada pelo Blog do Zé Dudu e pode ser conferida aqui.

Pelo contrato, a Prefeitura de Bom Jesus do Tocantins ficou de pagar R$ 1,2 milhão à Fiscon para que ela fareje tributos como o Imposto Sobre Serviço (ISS), o Imposto sobre a Propriedade Territorial Urbana (IPTU) e o Imposto de Transmissão de Bens Imóveis (ITBI). Não há no processo remetido ao TCM a expectativa de valores a serrem recuperados. Ainda assim, o calhamaço obteve parecer favorável da Assessoria Jurídica e do Controle Interno da prefeitura.

O Blog do Zé Dudu apurou que, dos R$ 44,91 milhões arrecadados ao longo do ano passado, a Prefeitura de Bom Jesus do Tocantins recolheu R$ 2,313 milhões em impostos, taxas e contribuições. O ISS sozinho consegue lançar aos cofres R$ 2,135 milhões, embora seja pouco se comparado às duas principais receitas locais, o Fundo de Participação dos Municípios (FPM), no valor de R$ 12,57 milhões, e o Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), no total de R$ 11,23 milhões.

Publicidade