Bolsonaro anuncia programa para regularizar dívidas de pequenas empresas

“Medidas são insuficientes”, criticou Bancada do Empreendedorismo
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Rua João Alfredo, comércio de rua em Belém (PA)

Continua depois da publicidade

Brasília – O presidente Jair Bolsonaro (PL) anunciou nesta terça-feira (11), a publicação em edição extra do Diário Oficial da União, duas medidas para renegociar dívidas de empresas do Simples Nacional com a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN). Na semana passada, o presidente vetou integralmente o Projeto de Lei Complementar (PLP) nº 46/2021, que criaria um novo Refis (possibilidade de parcelamento de débitos tributários) para as empresas optantes pelo Simples Nacional e para os Microempreendedores Individuais (MEIs) afetados economicamente pela pandemia da Covid-19.

Parlamentares ligados à formulação de leis que melhorem o ambiente de negócios no país criticaram as medidas que chamaram de insuficientes.

“A portaria é pouco eficaz para equacionar o problema. A medida alcança apenas os débitos já inscritos na dívida ativa da União, sem incluir aqueles em fase administrativa de cobrança pela Receita Federal”, criticaram.

O veto ao Refis do Simples Nacional abriu uma crise dentro do governo e irritou o Congresso Nacional, onde lideranças haviam dado amplo apoio à medida e estão colhendo assinaturas para um abaixo-assinado que visa derrubar o veto presidencial.

A Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PFGN) foi o órgão a responsável pelo texto das duas medidas:

– O Programa de Regularização do Simples Nacional e o;

– Edital de Transação do Contencioso de Pequeno Valor do Simples Nacional.

O Programa de Regularização permite a microempreendedores individuais, microempresas e empresas de pequeno porte condições de desconto e parcelamento, como entrada de 1% do valor total do débito, dividido em até 8 meses.

O restante é parcelado em até 137 meses com desconto de até 100% de juros, das multas e dos encargos legais. Esse desconto deve observar o limite de 70% do valor total do débito. Os descontos são calculados a partir da capacidade de pagamento de cada empresa.

O empresário que aderir ao edital da Transação do Contencioso de Pequeno Valor do Simples Nacional poderá acessar as diversas opções de pagamento com condições diferenciadas de parcelamento e desconto.

A entrada é sempre de 1% a ser paga em 3 parcelas. Mas o restante pode ser parcelado em 9, 27, 47 ou 57 meses com descontos de 50%, 45%, 40% e 35%, respectivamente. Quanto menor é o prazo escolhido, maior é o desconto no valor total da dívida.

O edital vale para as dívidas inscritas até 31 de dezembro. Para aderir, o valor da dívida, por inscrição, deve ser menor ou igual a R$ 72.720 ou 60 salários mínimos.

No caso do edital, a parcela mínima é de R$100 ou de R$ 25 no caso dos microempreendedores individuais e a adesão não depende de análise da capacidade de pagamento do contribuinte.

Segundo o Ministério da Economia, 1,8 milhão de empresas estão inscritas na dívida ativa da União por débitos do Simples Nacional, das quais 160 mil são microempreendedores individuais (MEIs). O valor total dos débitos é de R$ 137,2 bilhões.

O deputado Marco Bertaiolli (PSD-SP), que foi o relator do Refis do Simples na Câmara, afirmou que a portaria é uma tentativa do governo de amenizar o mal-estar provocado pelo veto. “Esta portaria minimiza [o problema] e oferece uma alternativa. Mas não é abrangente como o Refis”, disse.

Segundo Bertaiolli, o ato da PGFN não tira a disposição do Congresso Nacional em derrubar o veto presidencial. “Vamos derrubar”, assegurou.

Técnicos da equipe econômica reconhecem a existência de um outro problema a ser resolvido e que não é alvo da portaria: o risco de exclusão de empresas do regime do Simples devido à existência de débitos tributários.

O governo estuda a prorrogação do prazo para a regularização desses débitos, para 31 de março ou 29 de abril, dando tempo para que o Congresso reverta o veto ao Refis. A derrubada do veto tem sido defendida pelo próprio presidente da República.

“A decisão foi minha de vetar. Não poderia responder processo no TSE [Tribunal Superior Eleitoral] e ficar com flanco aberto. No dia seguinte, paguei missão para Paulo Guedes (Economia) buscar alternativa possivelmente para ontem. Não foi possível. Passamos para segunda-feira. Talvez uma medida provisória ou uma portaria nesse sentido”, declarou Bolsonaro no final de semana.

Para que a prorrogação dos débitos do Simples saia do papel, é necessária a aprovação de uma resolução pelo Comitê Gestor do Simples Nacional, formado por representantes do governo federal, de estados, de municípios e do Sebrae. O mesmo expediente já foi adotado em outros anos.

Um prazo maior de regularização ajuda as empresas porque afasta o risco de elas serem excluídas após optarem pelo regime simplificado. Hoje, as duas etapas — opção e regularização — precisam ser cumpridas até 31 de janeiro.

O autor da proposta do Refis, vice-líder do governo no Senado, Jorginho Mello (PL-SC), disse que agora está tudo resolvido, contando com a derrubada do veto na volta dos trabalhos legislativos.

“Mantém a derrubada do veto mesmo com a portaria, claro, normal. A portaria era o que precisava ser feito e agora está tudo certo, falei com o presidente, [com] Guedes”, disse.

Segundo Mello, o Comitê Gestor do Simples já está preparando a resolução necessária para a prorrogação do prazo de regularização.

Veja como aderir ao programa

O processo para negociar os débitos é 100% digital. O empresário interessado em regularizar a situação da sua empresa poderá acessar o portal Regularize.

O Blog do Zé Dudu sugere aos empresários que acessem um tutorial em vídeo que ensina como cadastrar a sua empresa no Regularize e acessar a plataforma pela primeira vez, clique aqui.

Reportagem: Val-André Mutran – Correspondente do Blog do Zé Dudu em Brasília.