Blog do Zé Dudu evita injustiça contra a Câmara e apreensão entre a população de Canaã

Site da prefeitura informou que serviços essenciais poderiam ficar comprometidos e desemprego aumentaria na cidade porque a Câmara Municipal não havia aprovado um projeto. Era um equívoco!
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir
DCIM100MEDIA

Continua depois da publicidade

Os dois principais verbos do jornalista são da primeira conjugação: perguntar e desconfiar. E foi conjugando ambos que a Reportagem do Blog do Zé Dudu, em Canaã dos Carajás, evitou que uma injustiça fosse cometida contra a Câmara Municipal e que uma notícia levasse apreensão à comunidade local, a Prefeitura Municipal publicou nota informando – ou desinformando – que o Executivo não renovaria os contratos dos servidores temporários que atuam em serviços essenciais como Saúde e Educação o no Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE); nem contrataria agentes de serviços gerais e agentes patrimoniais porque a Câmara Municipal não havia votado o Projeto de Lei 33/2018 que autoriza as contratações.

A nota adverte que a prefeitura “iniciará o ano de 2019, com déficit de servidores, o que deve impactar a prestação de serviços essenciais, assim como gerar um impacto maior sobre a folha de pagamento, tendo em vista que será necessário o pagamento de horas extras aos servidores efetivos, sobretudo em áreas como a saúde, que deve trabalhar em regime de contingência”.

Diz, ainda, esperar “a compreensão do Legislativo para que, no momento atual de crise, novas famílias não sejam prejudicadas com o aumento do índice de desemprego”.

Desfazendo o equívoco

Porém, em contato com a Câmara Municipal de Canaã dos Carajás, após mais de uma dezena de ligações e mensagens de WhatsApp, a correspondente do Blog conseguiu falar com um dos assessores do Legislativo, que pediu para ter a identidade preservada, o qual, informado de que os vereadores estavam sendo responsabilizados pelo provável engessamento de serviços essenciais, que poderiam causar prejuízos à população, correu em busca de uma resposta e, após minuciosa pesquisa, informou que o Projeto de Lei 33/2018, enviado pelo Executivo em novembro passado, foi aprovado na última sessão da Câmara Municipal, ao pagar das luzes de 2018, ao contrário do que afirmava a prefeitura na nota.

Em contato com um assessor da Prefeitura Municipal, que também pediu para ter a identidade preservada, a correspondente do Blog teve questionada a informação do assessor da Câmara, tendo ela entrado novamente em contato com o assessor do Legislativo e este reafirmado que o PL foi sim aprovado e a prefeitura comunicada. Novo contato foi feito com a assessoria da prefeitura, com a correspondente repassando a essa as informações que havia recebido.

Checados os dados, o assessor da prefeitura se rendeu: disse, por mensagem de voz, que realmente a informação estava correta, informou que iria retirar do site a nota pública – o que realmente aconteceu –, afirmou que a informação da Câmara, quando da aprovação do projeto, pode ter chegado após o início do recesso e não teria sido repassada à pessoa responsável e garantiu que as contratações vão acontecer, tranquilizando a população e aos que terão o contrato renovado, mas, não deixou de dar uma alfinetada na Câmara, afirmando que não precisava “demorar dois meses para aprovar um simples projeto”.

Fica a lição de que, mesmo em recesso, a administração deve manter servidores de plantão para resolver demandas que surjam nesse período e não, simplesmente, fechar as portas, ir para casa e dizer que volta depois de alguns dias.

Afinal, a prefeitura é a responsável pelo funcionamento da cidade e pelo bem estar de seus cidadãos, contribuintes que não têm o mesmo privilégio de tirar uns dias de descanso a cada final de ano.

Relacionados