Audiência pública vai debater reforma previdenciária no Pará

Será na próxima quinta-feira (12), na Alepa, a pedido de vários deputados que criticam o caráter de urgência com que projeto foi enviado à Casa pelo governador Helder Barbalho.
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Apesar de as assembleias legislativas de todo o País terem prazo até o final de junho do ano que vem para debater e aprovar as reformas previdenciárias em seus Estados, o governador Helder Barbalho solicitou urgência na discussão e aprovação do Projeto de Emenda Constitucional (PEC) enviado à Assembleia Legislativa na semana passada e que agora se encontra em tramitação na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), para recebimento de parecer técnico.

O pedido de urgência preocupa alguns deputados, principalmente de oposição, que mesmo antes de a matéria ser enviada à Alepa já apelavam ao governo para realização de um amplo debate sobre a proposta, que foi apresentada aos deputados pelo governador no dia 18 de novembro, em um jantar no Palácio dos Despachos.

“Se queremos fazer a coisa correta, transparente, precisamos fazer audiência pública nas comissões para debater o projeto previdenciário”, insistiu o deputado Eliel Faustino, na sessão de hoje (10). A deputada Marinor Brito (PSol) não perdeu tempo e apresentou requerimento, subscrito pelas bancadas do PT e do PDT, e que foi aprovado para que a Alepa realize a audiência já na quinta-feira desta semana, em plenário, com participação de representantes do governo, sindicatos e associações.

Para Marinor Brito, o governador tem descumprido o acordo feito com os servidores públicos estaduais durante a campanha eleitoral de manter em aberto a mesa de negociação, para ouvir a categoria. “O governador se comprometeu em apresentar uma pauta única (aos servidores), mas acabou mandando para esta Casa um pacote de maldades, se antecipando à PEC Paralela”, criticou a deputada, que considera “grave” a proposta da reforma previdenciária. “É um infarto, é para matar, atingir o fígado”, disse a líder do PSol.

Ao justificar o apoio do PDT à realização da audiência pública, o líder da bancada na Assembleia, deputado Miro Sanova, disse que é uma decisão tomada em nível nacional pelo partido – debater profundamente a proposta – desde que o presidente Jair Bolsonaro apresentou a reforma no Congresso.  Miro Sanova assegurou que, no Pará, o próprio governador solicitou “para que esse tema seja amplamente debatido”.

Com o projeto enviado à Alepa, Helder Barbalho planeja diminuir de R$ 1,6 bilhão para R$ 1 bilhão o déficit da Previdência no Pará. E, como no restante do País, aumentar de 11% para 14% a alíquota de contribuição dos servidores públicos civis. Já os policiais militares, hoje isentos, podem ser taxados pela primeira vez, sendo que em 11%.

Mas as dúvidas dos deputados são muitas até porque a grande maioria deles ainda não teve acesso ao projeto já que o sistema eletrônico da Alepa, o Progel, por meio do qual os parlamentares são informados sobre as matérias em tramitação na Casa, está há mais de um mês com problemas, dificultando o acesso dos parlamentares às proposições.

Hoje, em meio à discussão da pauta de votação em plenário, Marinor Brito chegou a sugerir à Mesa Diretora que volte a usar a antiga fotocópia para distribuição das matérias em tramitação aos parlamentares. Nem Avulso, com as decisões da Alepa, está sendo distribuído.

Prudência com a previdência

Deputados como Fábio Figueiras (PSB), Thiago Araújo (Cidadania) e Eliel Faustino entendem que a reforma da previdência é necessária, mas pedem cautela ao governo. “Entendo que precisamos encarar a reforma, mas não a toque de caixa. Tem que tramitar com prudência”, defendeu Thiago Araújo.

“Esse é um momento crucial que vai mexer com o bolso, com a vida, com o futuro dos servidores estaduais”, apontou Marinor Brito. Para Eliel Faustino, é preciso que o governo apresente ao parlamento e aos servidores os números da Previdência e que informe a situação dos municípios paraenses, que foram isentados da dívida previdenciária, mas que continuam a receber a contribuição do servidor municipal.

Por Hanny Amoras – Correspondente do Blog em Belém

Publicidade

Relacionados