As dificuldades da ASCOM Parauapebas

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Mariana Salles, ex-funcionária da ASCOM Parauapebas envia comentário que segue:

“Caro Zé Dudu,
Durante todo o ano de 2009, fui coordenadora da Ascom – Parauapebas e, por isso, sinto-me na obrigação de defender tal assessoria – que desenvolve um excelente trabalho, visto às condições que existem para a realização do mesmo.

O corpo de trabalho é formado pelos melhores profissionais de comunicação da cidade, mas é reduzido, se olharmos o tamanho da prefeitura. Cinco jornalistas (de verdade, com formação ou registro da categoria) são responsáveis pela cobertura de todas as secretarias. A criação, composta de dois designers, uma produtora, um redator e um fotógrafo, desenvolveu, no ano em que estive lá, toda a publicidade, uma vez que não havia contrato (que estipula o valor de R$ 2.900.000,00 anuais) de nenhuma agência para realizá-lo. Isto é, poucas pessoas, pouco dinheiro.

Mesmo assim, campanhas como “Barulho não!”, das formigas (21 anos de Parauapebas) e Maspp se mostraram muito superiores à dos outros anos, mostrando a capacidade dos profissionais. A Ascom também é responsável pela revista InterAÇÃO, com conteúdo não só institucional, mas formador de opinião e educativo, além do belo layout. A Ascom também é responsável pelo citado “Alô Cidadão” e “Café com Prefeito”, além de vt’s, spots e outros trabalhos relacionados à comunicação.

No comando disto tudo, está Alexandre Magno, talvez o único petista que ainda está no comando de algum setor relevante da prefeitura.

O volume de ações e projetos a serem divulgados, apesar de muito aquém das necessidades locais, é grande. As demandas chegam de um dia para o outro, sem respeitar prazos, sendo executadas de forma rápida e pouco estudada.

Acredito que a Ascom ainda tenha muito o que melhorar, principalmente por se tratar da principal voz do governo. Mas também acredito que este problema com a comunicação esteja ligado as demais secretarias, na representação de seus secretários, que não colaboram com a assessoria. Eles enxergam cada secretaria, departamento e coordenadoria como um órgão isolado – e uma janela política para seu eleitorado. Eles não respeitam a unificação do discurso e parecem não compreender que qualquer feito é uma realização da prefeitura para o povo, e não para beneficiamento da própria imagem. E, para isso, usam uma comunicação que não passa pela Ascom, afinal, “todo mundo entende” de comunicação, não é mesmo?

A Prefeitura Municipal de Parauapebas tem, com certeza, muitas falhas a serem apontados – tais quais eu perderia meu dia escrevendo aqui. Fico constrangida em saber que a população pouco cobra, assim como fico feliz em saber que existem pessoas, como você, que exercem seu direito de liberdade de expressão pelo bem da cidade – e espero que isso não seja mais uma atitude “politiqueira”. Mas, com tantos defeitos graves para serem apontados, será mesmo que o erro de um endereço merece tanto destaque?

Agradeço pelo espaço.”

Nota do Blogger: O espaço aqui sempre esteve e sempre estará aberto para o diálogo. Permita-me discordar, mas, o erro na informação do endereço é sim um fato importante. Não para mim ou para você que temos carro próprio, mas para aqueles que usam o transporte alternativo, muitas vezes caro em nosso município. Já imaginou o paciente, que com dificuldade se desloca la das Casas Populares, desce na Praça com o objetivo de ir à Clinica na Rua C e lá chegando recebe a informação de que a referida clínica agora está no Bairro da Paz? Pense, mais um trecho de pé até chegar ao ponto de vans e outra despesa, desnecessária se a ASCOM informasse de forma correta o endereço. Por isso acho sim que a postagem é de interesse da população e sua publicação foi correta.

Agradeço as informações e novamente coloco este espaço à disposição da ASCOM para veicular matérias de interesse da população. Acho difícil a função exercida pelo Alexandre, já que você o citou, mas também acredito que o serviço, mesmo com o empecilho causado por alguns secretários, poderia ser  mais informativo, não digo nem de melhor qualidade, mas, informativo.

Publicidade