Artigo: A vida agradece – Por Alberto Beltrame

O artigo do médico Alberto Beltrame, secretário da Saúde do Pará e Presidente do Conselho Nacional de Secretários de Saúde, publicado na edição de hoje da Folha de S. Paulo.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Vivemos um tempo estranho, em que o mais elementar dos direitos parece relativizado: o direito à vida. Estamos diante de uma grave emergência em saúde pública, a ponto de termos perdido, em 60 dias, com clara tendência de ampliação, mais de 3.600 vidas em virtude da pandemia do novo coronavírus.

O drama nos hospitais é crescente, com pessoas sofrendo e morrendo diante de profissionais de saúde muitas vezes sem recursos suficientes para fornecer a assistência devida. O Brasil sofre. E enterra seus mortos. Diante disso, qual tem sido a fala do Ministério da Saúde? Plano de retorno à normalidade, planilhas, custos administrados e informações.

Nenhuma palavra que expresse compaixão por doentes ou por quem perdeu seus entes queridos foi ouvida. Precisamos de um Ministério da Saúde que seja capaz de demonstrar, em mensagens à sociedade e em ações concretas, um mínimo de empatia, solidariedade e compaixão.

Agora é o momento de lutar, sem descanso, sem esmorecer diante das imensas dificuldades. De não perder nenhuma vida por falta de meios para salvá-la ou, pior, perdê-la pela indiferença.

Para secretários estaduais de Saúde, cada vida importa. Cada perda representa uma enorme dor. Estamos travando uma luta pela saúde da população. Isso dá sentido à nossa existência e ao nosso trabalho.

Mas estamos num front solitário. Precisamos de ajuda. Estamos trabalhando no limite, em quase todo o território nacional. Não nos falta capacidade de governança, de entender o sistema cuja gestão nos foi confiada por cada um de nossos governadores. Conhecemos o SUS e suas limitações, que não vêm de hoje.

Cada leito de UTI está ocupado, como sempre esteve. Estão lotados não por má gestão, mas porque sempre estiveram em número insuficiente. E a falta cotidiana de leitos representa lista de espera, desassistência, dor e morte. O SUS sofre há anos com o subfinanciamento. Lutamos todo dia, não com a ociosidade e sim, com a carência.

Neste momento, mais que nunca, faltam leitos adicionais, respiradores, monitores, bombas de infusão que foram prometidos e ainda não chegaram. Faltam equipamentos de proteção individual para profissionais que estão na linha de frente, aumentando o risco de contaminação, ameaça às suas próprias vidas e à redução da força de trabalho da assistência. O número de testes também é insuficiente. Muito pouco do que foi anunciado e prometido, de fato, chegou aos estados e municípios.

Esta é a informação e o dado gerencial que nos parece relevante neste momento. Fora disso, resta apenas um discurso e uma prática perversos. Nós, secretários, acreditamos que esses argumentos deveriam ser suficientes para provocar a necessária ação do Ministério da Saúde. Estamos prontos para cooperar, mas é essencial o auxílio a estados e municípios para que possamos dar a atenção a todos que dela necessitam.

É o que pedimos. Por favor, mais compaixão.

Publicidade